REVISTA TAE - Obra de esgoto em Otacílio Costa entra em sua última etapa

Esta notícia já foi visualizada 247 vezes.

Obra de esgoto em Otacílio Costa entra em sua última etapa

Data:14/02/2018- Fonte:www.casan.com.br

Ainda neste semestre estará em operação a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) que está sendo erguida no bairro Poço Rico, às margens da Rodovia SC-114, em Otacílio Costa. A construtora responsável pela obra acredita que até abril ou maio a unidade estará pronta para entrar em regime de pré-operação, quando a população começa a ser convocada para fazer a ligação dos imóveis à rede pública de esgoto.
 
Mais de 90% das obras do Sistema de Esgotamento Sanitário de Otacílio Costa estão executadas, com redes de coleta, ligações domiciliares, emissários e estações elevatórias já instalados. O investimento em Otacílio Costa é de R$ 21,1 milhão, com recursos obtidos junto à Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). Aproximadamente 6 mil moradores dos bairros Centro Administrativo, Pinheiros, Poço Rico e Santa Catarina serão beneficiados. 
 
A rede coletora de esgoto possui quase 30 quilômetros e a ETE terá capacidade para depurar 25 litros de esgoto por segundo. “Essa primeira etapa vai proporcionar uma cobertura de 40% de esgotamento sanitário para a cidade”, destaca o gerente de Construção da CASAN, Fábio Krieger. Atualmente a Companhia executa obras de esgotamento sanitário em mais de 30 cidades. A meta é levar Santa Catarina a um dos primeiros lugares do ranking de saneamento em 2019.  O SES Otacílio Costa faz parte do Plano de Investimentos da CASAN, que prevê 1,6 bilhão somente para esgotamento sanitário.
 
Ligação ao sistema somente com orientação da CASAN
 
A CASAN alerta moradores de Otacílio Costa para que não realizem ainda a conexão de seus imóveis à rede coletora do Sistema de Esgotamento Sanitário em implantação.
 
A liberação para que os imóveis sejam conectados ao sistema público será comunicada e orientada pela CASAN no momento adequado (provavelmente em maio), quando todo o sistema estiver concluído. 
A conexão ao sistema antes do início de operação pode gerar problemas para moradores (retorno de esgoto às residências) e também à cidade, como mau cheiro nas ruas.
 
Responsabilidades da CASAN e de moradores
 
Em frente de cada um dos imóveis beneficiados a CASAN implantou uma Caixa de Inspeção (CI), que é o local onde o proprietário deve fazer a ligação de seu imóvel à rede de coleta do sistema público de esgoto sanitário. Esse também é o ponto que marca até onde a CASAN terá responsabilidade sobre o sistema.
 
Na parte interior dos imóveis, os proprietários devem conhecer as tubulações do seu sistema individual de tratamento de esgoto e, quando a CASAN autorizar, direcionar o fluxo para a Caixa de Inspeção (CI). Os custos de mão de obra e com materiais hidráulicos usados internamente são responsabilidade do morador.
 
“O proprietário deve buscar o auxílio de um encanador ou de um instalador hidráulico para verificar a sua tubulação de esgoto e para realizar a conexão com o sistema da CASAN quando receber essa orientação”, explica o gerente de construção da CASAN.
 
“Serão necessários alguns gastos iniciais por parte do proprietário, mas é importante lembrar que os moradores não terão mais problemas com fossas entupidas, nem terão que gastar com serviços de caminhões limpa-fossa. Além disso, os imóveis serão valorizados e os moradores serão beneficiados com mais saúde e qualidade de vida”, complementa. 
 
Saiba Mais:

Esgotamento Sanitário: entenda a importância do serviço público de coleta e tratamento:

O que é esgoto?
Chamamos de esgoto a água que resulta do banho, da descarga do vaso sanitário, da lavação de louças e de roupas, entre outras atividades. Os resíduos líquidos das residências formam os esgotos domésticos, e os de fábricas recebem o nome de esgotos industriais.

O que há no esgoto doméstico?
O esgoto das residências é composto por 99,9 % de água, 0,1% de sólidos e inúmeros organismos vivos, como bactérias, vírus, vermes e protozoários, que são liberados junto com os dejetos humanos.

Por que o esgoto precisa ser tratado?
O sistema de coleta e tratamento evita a contaminação das pessoas e a transmissão de doenças. Além disso, é fundamental tratar o esgoto para conservar os ambientes naturais, pois o despejo de esgoto nas águas dos rios ou no mar provoca poluição e pode provocar a morte de peixes e de outros seres aquáticos. A destinação inadequada de esgotos sanitários é uma das principais causadoras da poluição do solo, de águas subterrâneas, de mananciais de superfície e de cursos d’água.

O que é sistema coletivo de esgoto?
Em um grande número de residências o que ocorre é o tratamento individual do esgoto, que é feito nas fossas e sumidouros. Nos sistemas coletivos administrados pela CASAN, o esgoto é coletado em cada imóvel, passa por uma rede de tubulações e é levado para ser depurado em uma estação de tratamento. Só depois retorna à natureza.

Qual a importância de um sistema público de esgotamento sanitário?
São diversos benefícios, especialmente para a saúde. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que 70% da mortalidade infantil até cinco anos é motivada por doenças que poderiam ser evitadas com uma adequada estrutura de saneamento.

Além disso, o tratamento em larga escala nas cidades é fundamental para preservação dos mananciais, onde a água é coletada para abastecimento da população.

Há ainda benefícios do ponto de vista econômico, com valorização dos imóveis, redução dos gastos com tratamento de doenças (estudos apontam que para cada R$ 1 investido em saneamento básico há uma redução de cerca de R$ 4 a R$ 5 nos gastos com medicina curativa) e estímulo a atividades de lazer e de turismo.

 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade