REVISTA TAE - Dessalinização e reúso devem crescer

Esta notícia já foi visualizada 675 vezes.

Dessalinização e reúso devem crescer

Data:22/01/2019- Fonte:Envolverde

Ana Maria

Por Saneamento Ambiental 

Com a introdução do novo Manual de Segurança da Água da IDA, a Associação Internacional de Dessalinização (IDA) e a Global Water Intelligence (GWI) divulgaram a última visão para os mercados mundiais de dessalinização e reutilização de água. O documento mostra que após três anos – período onde o mercado de dessalinização permaneceu estável – 2019 deve ser o ano de maior crescimento de projetos de dessalinização desde o final dos anos 2000.

O 31º inventário de dessalinização (que cobre de julho de 2017 a junho de 2018) aponta que a capacidade mundial instalada de dessalinização é de 97,4 milhões m³/dia, enquanto a capacidade total acumulada global é de 104,7 milhões m³ diários. Até junho de 2018, mais de 20 mil usinas de dessalinização haviam sido contratadas em todo o mundo. Em relação ao reúso, a capacidade global de reutilização contratada quase dobrou desde 2010, com a capacidade contratada acumulada aumentando de 59,7 milhões de m³/dia, em 2009, para 118 milhões de m³/dia, em 2017. “A IDA sempre defendeu soluções para a escassez de água apoiando o desenvolvimento da indústria de dessalinização e reutilização de água para garantir água sustentável e recursos naturais. Nas últimas décadas, nossa indústria alcançou uma importante redução nos custos não convencionais de água e aumentou a qualidade para garantir a sustentabilidade da água”, afirmou Miguel Angel Sanz, Presidente da IDA.

Dessalinização e reutilização da água são soluções de abastecimento ambientalmente corretas e estão em consonância com a economia circular da água. “As tendências que estamos vendo apontam para um amplo reconhecimento de que essas soluções avançadas de tratamento de água são essenciais para a saúde e o bem-estar das pessoas e das economias em todo o mundo, tanto agora como no futuro”, disse Shannon McCarthy, Secretária-Geral da IDA. De acordo com Christopher Gasson, editor da GWI, o grande avanço recente está relacionado ao custo dos projetos de dessalinização. “Propostas de projetos na Arábia Saudita e Abu Dhabi viram o preço cair abaixo de US$ 0,50/m³ pela primeira vez, o que é uma ótima notícia”. Gasson espera que 2019 seja o melhor ano no mercado de dessalinização. Em termos de reutilização de água, os preços para água potável indireta estão na faixa de US$ 0,30 a US$ 0,40, mas o mercado ainda é retido pelas percepções do público.

Os projetos de dessalinização crescem cada vez mais entre os países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) – formado por Omã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Qatar, Bahrein e Kuwait. De acordo com o Manual de Segurança Hídrica de 2018-2019, 1,9 milhão de m³/dia de capacidade de água do mar foram contratados no primeiro semestre de 2018, um aumento de 26% em relação ao mesmo período de 2017. Desde então, os licitantes preferidos surgiram em projetos que totalizam mais de 1 milhão de m³ diários em novas capacidades adicionais na região. No entanto, nem todas as grandes fábricas de água do mar contratadas estão localizadas no Oriente Médio. O maior empreendimento de dessalinização de água do mar listado no 31º inventário de dessalinização é o projeto de 378 mil m³/dia de osmose reversa de água do mar (SWRO) em Rosarito, México. Globalmente, a capacidade contratada de dessalinização de água salobra diminuiu 19% ano a ano, mas nos EUA a dessalinização de água salobra aumentou significativamente, totalizando 205.600 m³/dia, o maior nível desde 2012 e um aumento de 26% em relação a 2016, uma divisão razoavelmente uniforme entre plantas municipais e industriais. A dessalinização de água de alimentação de baixa concentração, como água residual e água superficial de baixa concentração, cresceu quase 25% da capacidade total em 2017, em comparação a aproximadamente 15% em 2016. A maior parte dessa capacidade é composta por grandes estações de tratamento de águas residuais na China e na Índia.

O manual também relata que o mercado de dessalinização industrial cresceu 21% em capacidade contratada entre 2016 e 2017. O aumento da atividade em petróleo e gás upstream e downstream representou mais de um terço da capacidade industrial contratada em 2017, enquanto o aumento dos preços das commodities revitalizou a atividade de dessalinização na indústria de mineração, com 201.000 m3/dia de nova capacidade contratada somente no primeiro semestre de 2018. A indústria de microeletrônica também está criando oportunidades para tecnologias de dessalinização, com capacidade contratada neste setor mais do que dobrando entre 2016-2017. Do ponto de vista geográfico, a capacidade contratada no Oriente Médio – o maior mercado de dessalinização – caiu de 2016 para 2017, mas foi compensada em 2018 com a concessão de vários grandes projetos.


+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade