REVISTA TAE - Seminário apresenta soluções para melhoria da gestão hídrica no Brasil
Esta notícia já foi visualizada 450 vezes.



Seminário apresenta soluções para melhoria da gestão hídrica no Brasil

Data:22/11/2019
Fonte: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Ferramentas e iniciativas de gestão propostas para cinco estados brasileiros foram detalhadas em evento na sede do Ipea, em Brasília

Os resultados de projetos aplicados em sete estados – Mato Grosso, Rondônia, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Goiás e Paraná – estão em pauta nesta quinta e sexta-feira, 21 e 22 de novembro, durante o seminário Aperfeiçoamento de Ferramentas Estaduais de Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito do Progestão, na sede do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em Brasília. Os participantes, em sua maioria gestores e técnicos do Ipea, da Agência Nacional de Águas (ANA) e dos governos estaduais, trocaram percepções sobre iniciativas para a gestão hídrica desenvolvidas e aplicadas em cada estado.

O diretor de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais do Ipea, Nilo Luiz Saccaro Júnior, ressaltou a importância das parcerias que tornaram viáveis as soluções para os estados. “A ampliação desse projeto para mais dez estados a partir de 2020 demonstra o sucesso das nossas parcerias”, disse. Já o superintendente-adjunto de Apoio ao Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos da ANA, Carlos Motta, recomendou que os estados se apropriem das ferramentas, para dar continuidade à melhoria da gestão hídrica. Aos participantes, Motta lançou um desafio: buscar instrumentos capazes de monitorar os desdobramentos nos estados.

As soluções vão desde sistemas de informações de recursos hídricos a planejamentos estratégicos e mapeamento de processos para a melhoria da gestão nos estados, a exemplo da Paraíba. Em Alagoas e Sergipe, as ferramentas preveem cheias de rios e alertam sobre inundações nas principais bacias hidrográficas. No Mato Grosso, manuais e guias foram produzidos para regularização e maior segurança de barragens, tema abordado também pelos pesquisadores no Piauí. Já em Goiás e Rondônia, as soluções visam apoiar o processo decisório sobre outorga do uso de águas. Também participam do seminário pesquisadores do Paraná, com um diagnóstico estadual dos recursos hídricos.

A primeira etapa do projeto, encerrada com este seminário, mostrou serem viáveis as diferentes soluções. “Quem não participou dos seminários nos estados pode conhecer, agora, as ferramentas que desenvolvemos em parceria com a ANA e as secretarias estaduais de meio ambiente e recursos hídricos”, afirmou o pesquisador do Ipea Antenor Lopes, coordenador nacional do projeto. Já a coordenadora do projeto pela ANA, Brandina de Amorim, explicou que se trata de uma parceria nacional bem-sucedida. Ela relembrou os principais marcos do projeto e o processo de capacitação de técnicos e gestores para darem continuidade à aplicação das novas soluções nos estados.

As ferramentas estão disponíveis para as comunidades locais, cujos gestores farão as respectivas adequações às realidades estaduais. Elas foram desenvolvidas e aplicadas ao longo dos 18 meses do projeto e poderão ser transformadas em publicações, depois de consolidadas nos estados, sinalizou Antenor Lopes. A partir de 2020, os dez estados a serem atendidos pelo projeto são Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Acre, Tocantins, Pernambuco, Maranhão, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Bahia e Espírito Santo.

Comentários desta notícia

Publicidade