REVISTA TAE - Passarelli participa da despoluição do Rio Pinheiros
Esta notícia já foi visualizada 100 vezes.



Passarelli participa da despoluição do Rio Pinheiros

Data:03/12/2019
Fonte: Assessoria de imprensa

Empresa assina contrato para obras no córrego Pedreira e Olaria, afluente da margem direita do rio, para interligar aproximadamente 14 mil economias à ETE Barueri e reduzir o nível de DBO do córrego

A Passarelli, uma das mais tradicionais empresas de engenharia do País, participa de um dos mais importantes projetos de saneamento do Brasil, o Programa Novo Pinheiros, do Governo do Estado de São Paulo, gerenciado pela Sabesp, cujo objetivo é despoluir o Rio Pinheiros. A empresa assinou contrato para executar obras e intervenções sanitárias que deverão melhorar a qualidade das águas do afluente do rio, o córrego Pedreira/Olaria. 

A meta da Passarelli é interligar aproximadamente 14 mil economias (cada uma equivale a uma “geração de esgoto”) à rede coletora de esgoto, que leva os dejetos para tratamento na ETE Barueri. As obras também terão como objetivo reduzir a Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO - quantidade de oxigênio consumido na degradação da matéria orgânica) no ponto de deságue do Rio Pinheiros, num prazo de até 18 meses após a assinatura do contrato. 

“Segundo dados da Sabesp, na bacia onde está o córrego Pedreira/Olaria, chamada de PI-36, são gerados efluentes por 45.084 economias, onde 81% (36.353 economias) do total é coletado, dos quais 73% vão para tratamento e 27% são lançados nos córregos. Não são coletados 8.731 economias (19%), que são precariamente lançados nas ruas, nas galerias de águas pluviais ou diretamente nos córregos. Nosso desafio será destinar as quase 14 mil economias para tratamento, tanto o que já é coletado e não tratado, como executar ligações domiciliares e redes de esgoto para boa parte das moradias que hoje não tem seu esgoto coletado”, explica Cesar Laragnoit, da Diretoria Comercial da Passarelli, salientando ainda que este processo de coleta e destinação do esgoto para tratamento deverá diminuir em aproximadamente 80% os atuais 129 miligramas por litro de DBO registrados na foz do córrego, para se chegar à meta de 30 miligramas por litro.  

Um dos coletores a serem implantados, será realizado através de equipamento Shield (sistema de tubo cravado), um Método Não Destrutivo (MND) do qual a Passarelli é pioneira, em conjunto com outras obras estruturantes, tais como interligações de redes e execução de redes de esgoto, ligações domiciliares e outros. Além dessas diversas obras necessárias para atingir as metas, serão desenvolvidos outros serviços, como varredura e detecção de anomalias, com suas respectivas regularizações, ações socioambientais de conscientização da população local e monitoramento remoto do córrego para controle de processo e coleta de amostras para verificação da qualidade (DBO) e apuração dos resultados.

Comentários desta notícia

Publicidade