Uso e aplicações dos sistemas MBR
Edição Nº 38 - agosto/setembro de 2017 - Ano VII
Esta notícia já foi visualizada 1127 vezes.


Uso e aplicações dos sistemas MBR



por Carla Legner

 

Diariamente novas tecnologias são apresentadas ao mercado de tratamento de água. A escassez e dificuldade ao acesso aos recursos hídricos despertaram o interesse em criar novos processos e sistemas, visando eficiência, melhor otimização de tempo e espaço e redução de custos. Os sistemas que utilizam membranas (MBR), por exemplo, são frutos justamente desse desenvolvimento tecnológico da humanidade.
O sistema MBR (Biorreator a Membranas) é basicamente a integração do sistema biológico convencional (aeróbio) de tratamentos de lodos ativados trabalhando em conjunto com a filtração por membranas. Este processo pode tanto ocorrer em um único tanque, como em tanques separados, nesse caso é utilizado um tanque de aeração biológica e outro tanque de membranas. 
Em comparação com um sistema de tratamento de efluente convencional, trata biologicamente o efluente num processo de lodo ativado ou semelhante, e, em seguida, a água tratada é separada do lodo por um decantador, enquanto que em um sistema MBR o lodo é separado da água tratada por meio de uma unidade de membrana.
Marcelo Bueno, gerente regional da Toray do Brasil explica que essa tecnologia foi originalmente desenvolvida para aumentar a eficiência e reduzir o tamanho das estações de tratamento de lodos ativados, por isso o funcionamento é muito parecido com o sistema lodo ativado convencional.
A principal diferença é que no MBR é utilizada uma membrana de Ultrafiltração ou Microfiltração na etapa de clarificação em substituição ao decantador secundário, ou seja, troca-se uma sedimentação à gravidade por uma barreira física reduzindo por completo o escape de sólidos para o efluente tratado. “Com a membrana retendo os sólidos suspensos o biológico pode operar com concentrações de lodo (MLSS) mais altas e com idade mais elevada reduzindo consideravelmente o tamanho do biorreator e aumento a sua eficiência”, explica Marcelo.
Qualquer tipo de efluente pode ser tratado pelo sistema MBR, pois este sistema é bastante robusto e versátil, exigindo pouco tratamento primário (a única exigência é o peneiramento prévio do efluente com peneira de 1 a 3 mm). Como este tratamento não deixa de ser um tratamento biológico, o efluente precisa também ter boa biodegradabilidade, ou seja, com relação DBO/DQO em geral acima de 0,3.
É aplicado para tratamen ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade