REVISTA TAE - Shoppings investem em reúso de água para driblar alta população em dezembro

Esta notícia já foi visualizada 325 vezes.

Shoppings investem em reúso de água para driblar alta população em dezembro

Data:28/11/2017- Fonte:Assessoria de Imprensa

População dos shoppings quase dobra no Natal.

Como evitar a falta e o desperdício de água?

 

Até o Natal, os shoppings devem receber pelo menos 50% a mais de visitantes. E, com isso, a quantidade de água consumida aumenta proporcionalmente. Estabelecimentos que investem em métodos alternativos, como reúso, não correm risco de desabastecimento e ainda contribuem com o meio ambiente.

A empresa General Water, concessionária particular de água e esgoto que implanta e opera, com recursos próprios, sistemas de abastecimento de água e tratamento e reúso de efluentes, é a principal empresa que atua neste ramo dentro do Brasil e tem vários shoppings como clientes, que são verdadeiros cases de sucesso. “A maior parte deles tem 100% de autonomia hídrica”, afirma o engenheiro Fernando Pereira, diretor comercial da General Water.

O Shopping Plaza Sul, empreendimento da Sonae Sierra Brasil, por exemplo, tem sistema de abastecimento de água (por meio de poços), tratamento de esgoto e reúso. Com isso, têm 100% de independência hídrica. “Com exceção da água usada para beber, produzir alimentos e lavar as mãos, todo o restante dos recursos é de reúso”, diz Pereira.

Durante o mês de dezembro, o número de visitantes sobe 40%. E o volume de água gasto entre novembro e dezembro é de 12.000m³, sendo que 4.100m³ são provenientes do reuso. Em média, esses dois meses apresentam um consumo 15% maior, em relação ao restante do ano. Se não houvesse o reúso, o volume excedente (4.100m³) viriam da concessionária. Isso geraria mais custo ao condomínio e maior impacto ambiental. Importante lembrar ainda que, só nesses dois meses, a economia gerada é de R$ 42 mil.

Fábio Segura, superintendente do Shopping Plaza Sul afirma que a empresa apoia o uso dos recursos naturais. “Por isso, optamos por tratar a água e fazer reúso. Assim, geramos o menor impacto possível para o meio ambiente e reaproveitando o que muitas vezes é desperdiçado”, afirma Segura.

Outro exemplo é o Parque D. Pedro Shopping, de Campinas. O número de frequentadores já é bem significativo: 1,5 milhão por mês. E em dezembro, cresce 66%! O shopping, que sofreu com os efeitos da crise hídrica de 2014 e 2015, contratou a General Water para implantar um projeto que pudesse gerar água de reúso com qualidade suficiente para abastecer as torres de resfriamento, que consomem cerca de 5.000 m³/mês de água da concessionária todos os meses.

Com isso, o Parque Dom Pedro, que já utilizava água de reúso nos vasos sanitários e na rega de seus jardins, elevou substancialmente a sua autonomia de água, garantindo o funcionamento de mais de 400 lojas, 20 restaurantes, 15 salas de cinema e um teatro. Com o projeto de retrofit (modernização), o empreendimento aumentou o seu reúso de água de 20% para 70% de todo o seu esgoto gerado.

Isso significa que, mensalmente, o shopping deixará de descartar no meio ambiente mais de 5.000 m³ de esgoto tratado e de utilizar o mesmo volume da escassa água da concessionária nas suas torres de resfriamento, disponibilizando esse recurso para a população de seu entorno. “Essa ação poupa recursos do meio ambiente para gerações futuras, além de agregar economia financeira com o reaproveitamento”, diz Fábio Viana, coordenador de Operações do Parque D. Pedro Shopping.

 

Mais sobre o sistema de reúso

 

O que é água de reúso?

Fernando Pereira explica que existem dois tipos de águas que podem ser tratadas e reutilizadas: as cinzas, provenientes dos lavatórios e chuveiros, e as negras, o esgoto propriamente dito. Ambas podem ser reaproveitadas, desde que passem pelo tratamento correto.

 

Como funciona o tratamento?

 

A água que escorre pelo ralo do chuveiro e da pia ou a que é usada nas descargas pode ser transformada em água potável, num processo de cinco etapas e que dura até 12 horas. Isso é realizado nas estações de tratamento de esgoto e efluentes que estão sob a responsabilidade da General Water.

 

Por meio de uma tubulação especial, a água descartada é captada junto com dejetos, sabão e outros tipos de fluidos. Na estação de tratamento, ela primeiro passa por uma peneira, que faz a filtragem inicial dos resíduos. Em seguida, a água vai para os tanques de equalização, onde é feito o controle do volume de esgoto necessário para o tratamento.

 

A terceira etapa é a passagem por um reator biológico, onde bactérias especializadas se alimentam da matéria orgânica, limpando a água. Esse processo dura algumas horas, durante as quais o reator recebe uma injeção constante de ar, para que as bactérias que degradam o esgoto se proliferem.

 

 O passo seguinte é o processamento no tanque de membranas de ultrafiltração, importadas do Japão, que separam completamente o lodo da água, que depois é esterilizada em outro tanque, com cloro. Pronto! A água, que era esgoto, já pode ser usada para o abastecimento de torres de resfriamento de ar condicionado, bacias sanitárias e para a irrigação.

 

Sobre a General Water

 

Empresa fundada em 2000 para suprir uma carência intrínseca na região metropolitana de São Paulo: a escassez de recursos hídricos. A filosofia da General Water é proporcionar aos grandes consumidores de água a oportunidade de contar com seu próprio sistema de abastecimento, tratamento de esgoto ou reúso de água, implantado e operado por uma empresa especializada no desenvolvimento e operação de soluções customizadas de saneamento. Ainda dentro da sua filosofia de trabalho, a General Water é responsável por todos os custos, riscos e responsabilidades durante todas as fases do contrato. Cabe aos clientes apenas arcar com a água/efluente produzida nos sistemas.

 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade