REVISTA TAE - Relatório inédito do WWF-Brasil mostra a importância de incorporar o clima no setor de infraestrutura

Esta notícia já foi visualizada 193 vezes.

Relatório inédito do WWF-Brasil mostra a importância de incorporar o clima no setor de infraestrutura

Data:12/12/2017- Fonte:www.revistafatorbrasil.com.br

Guia prático propõe inclusão de riscos climáticos no PPI.

São Paulo — A infraestrutura é uma das condições necessárias para o desenvolvimento e para a competitividade de um país. Fazer com que os investimentos nessa direção aumentem a resiliência — ou seja, sofram menos com eventos climáticos extremos — é de suma importância. O Relatório inédito do WWF-Brasil — "Decisões sobre infraestrutura considerando riscos climáticos: Guia prático para decisões com impacto no longo prazo no Brasil" – analisa a relação entre mudança do clima e infraestrutura e orienta tomadores de decisão no sentido de reconhecer os riscos climáticos incidentes em empreendimentos de longo prazo.

De autoria da consultora e diretora de riscos e oportunidades ambientais do projeto Infra2038, Natalie Unterstell, o relatório se tornará público nesta terça-feira (5), no mesmo dia de realização do evento "PPPs de riscos: pavimentando o jogo do ganha-ganha para a infraestrutura brasileira", que acontece em São Paulo (www.infra2038.org). Entre outras coisas, o estudo identifica que o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que integra o Projeto Crescer, principal iniciativa do atual governo para alavancar a infraestrutura e o crescimento econômico no país, não considera riscos climáticos. E para sanar essa deficiência, o relatório propõe um guia prático, como o primeiro passo para gestores públicos avaliarem riscos em projetos de infraestrutura.

Anualmente, no Brasil são reportadas perdas superiores a R$ 9 bilhões com desastres naturais, o que significa que o país perde algo próximo a R$ 800 milhões mensalmente com desastres naturais em vários setores. "Incorporar a análise sobre riscos climáticos na tomada de decisões de setores estratégicos para o Brasil, como o setor de infraestrutura, é fundamental para alavancar um desenvolvimento sustentável no país. Ao assegurar uma infraestrutura planejada, que se prepara para lidar com eventos extremos, estaremos evitando perdas econômicas altíssimas e promovendo benefícios para a economia do país e bem-estar para a população", afirma Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil.

Cenários de redução de precipitação de chuvas na região Norte, assim como aumento de chuvas na região Sudeste e elevação do nível do mar em regiões litorâneas do país, já apontam para prejuízos diretos em infraestruturas de energia e transportes. Tendo isso em vista, o relatório sugere que um esforço para aumentar a qualidade da infraestrutura no Brasil deve necessariamente considerar os riscos climáticos.

"A infraestrutura requer investimentos de longo prazo, e os custos para sua recuperação, quando afetada por desastres e eventos extremos, estão entre os mais elevados. Como atualmente não há qualquer intervenção no sentido de considerar dados climáticos futuros na contratação, na construção e na operação dessas infraestruturas, o senso comum indica que elas estão sob ameaça", comenta Natalie Unterstell.

O relatório traz ainda um conjunto de ferramentas adotadas em diversos países por governos e bancos multilaterais de desenvolvimento com metodologias que avaliam riscos climáticos incidentes sobre a infraestrutura. Essas ferramentas podem auxiliar na tomada de decisão tanto de gestores públicos, quanto de investidores e financiadores.

Perfil — O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade