REVISTA TAE - Celulose Irani ganha Prêmio ECO 2017 com case inovador de reciclagem de plástico

Esta notícia já foi visualizada 197 vezes.

Celulose Irani ganha Prêmio ECO 2017 com case inovador de reciclagem de plástico

Data:12/12/2017- Fonte:Assessoria de Imprensa

Primeira planta de reciclagem de plástico dentro de uma indústria de papel evitou o envio de 928 toneladas de aparas de plásticos a aterros e a emissão de 37 ton/CO2eq em 2016

A Celulose Irani, uma das principais indústrias brasileiras dos segmentos de Papel para Embalagens e Embalagem de Papelão Ondulado, recebe nesta quarta-feira (13), em São Paulo, o Prêmio Eco 2017 na categoria “Sustentabilidade em Processos” com um case inovador de reciclagem de plástico. Com 35 anos de história, o evento organizado pela Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) destaca as empresas que são referência em práticas sustentáveis e desenvolvimento social.

 

Durante seis anos, a Irani pesquisou alternativas para uma destinação correta dos resíduos provenientes da reciclagem de aparas de papelão ondulado. Após essa longa pesquisa, a empresa desenvolveu a primeira planta de reciclagem de plástico dentro de uma indústria de papel. O desafio era dar uma destinação mais sustentável aos resíduos plásticos (antes destinados a aterro industrial) misturados nas aparas de papelão adquiridas para a reciclagem.

 

Foram investidos R$ 720 mil na instalação dessa planta de reciclagem, que começou operando em esquema de projeto piloto com capacidade de processamento de 10ton/mês. A partir de 2016, a planta de reciclagem e a capacidade de segregação de resíduos foi ampliada para 100 ton/mês. Com essa iniciativa, a empresa criou uma nova cadeia valor e passou a comercializar um novo produto: as aparas mistas de plástico.

 

No aspecto ambiental, a empresa deixou de encaminhar 928 toneladas de aparas de plásticos para aterros em 2016, o que representou uma economia de R$ 27,8 mil no ano e, ao mesmo tempo, evitou a emissão de 37 ton/CO2eq. No aspecto econômico, apenas em 2016, foram recuperadas 1.038 toneladas de fibra, equivalente a R$ 780 mil em matéria-prima. Além disso, a venda das aparas mistas de plástico geraram uma receita de R$ 13,8 mil.

 

Outro ponto de destaque dessa iniciativa é que evitou um investimento imediato de R$ 3 milhões para a companhia: a redução de resíduos gerados postergou em cerca de 5 anos a necessidade de construção de um novo aterro industrial.

 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade