REVISTA TAE - Monsanto investe em projetos de sustentabilidade de gestão do manejo de irrigação e recuperação de efluentes

Esta notícia já foi visualizada 451 vezes.

Monsanto investe em projetos de sustentabilidade de gestão do manejo de irrigação e recuperação de efluentes

Data:19/12/2017- Fonte:www.noticias.dino.com.br

Os dois programas, que estão implantados em diversas unidades da empresa, foram premiados pelo Prêmio Eco da Amcham.
 
A Monsanto Global assumiu a meta de melhorar a eficiência do uso de água na agricultura em 25% até 2020. Sabendo da importância de se cuidar dos recursos hídricos, a Monsanto no Brasil criou um projeto de “Gestão Sustentável do Manejo de Irrigação” em mais de 220 mil hectares de campos de produção de sementes de milho. Por meio de uma metodologia agronômica, que considera a demanda correta de água para os campos, se evita os excessos no consumo de água.

Essa gestão permite a Monsanto produzir sementes com sustentabilidade e potencializar a produção dos campos fazendo uso de uma irrigação mais adequada. “Isso faz parte da nossa missão como empresa: encontrar as melhores formas de fazer o nosso trabalho de forma sustentável e responsável. A falta de água hoje é um grande problema em várias partes do mundo. Não podemos deixar de cuidar desse bem tão valioso que é a água”, diz a líder da área de sustentabilidade e engajamento com a comunidade da Monsanto para a América do Sul, Danielly Crocco.

O programa foi implementado em todas as regiões produtoras de milho da Monsanto no Brasil: Paracatu e Uberlândia, em Minas Gerais; Itaí e Ipuã, em São Paulo; Santa Helena de Goiás, em Goiás e Campo Verde, no Mato Grosso, envolvendo as bacias dos rios São Francisco, Paraná e Amazonas.

“O investimento no projeto foi de mais de R$ 15 milhões. Além disso, mais de 120 estações meteorológicas foram instaladas próximas aos campos de produção e através disso geramos recomendações customizadas de irrigação garantindo a real necessidade da cultura, sem desperdícios. Melhoramos assim a produtividade e ao mesmo tempo promovemos o uso mais inteligente dos recursos naturais, reduzindo o consumo de água e indiretamente o de energia. Acreditamos que assim promovemos a sustentabilidade de forma muito consistente, pois além dos benefícios ao meio ambiente melhoramos também a rentabilidade do negócio. Tendo em vista os ótimos resultados que obtivemos, o projeto será replicado internacionalmente”, explica o líder de manufatura de sementes da Monsanto para a América do Sul, Marco Barreira.

O Brasil é a região que lidera esse aumento de eficácia devido à implantação do programa. Dentre os resultados obtidos estão, a economia de água equivalente ao consumo de 560 mil pessoas nos últimos cinco anos; em média 358 equipamentos de irrigação por safra foram monitorados; aumento médio de 14% na eficiência de irrigação nos campos de produção; redução do excesso de irrigação em mais de 33% desde a adoção do projeto e houve também um aumento do uso de aspersores mais eficientes.

Projeto Inovar e Recuperação de H2
Corroborando a consciência positiva de Sustentabilidade das operações da unidade da Monsanto em Camaçari, na Bahia, a empresa criou dois programas. O Projeto Inovar tem como objetivo recuperar e agregar valor aos químicos usados na produção. A companhia passou a recuperar o HCl (Cloreto de Sódio), subproduto de uma das etapas de fabricação do glifosato, ingrediente ativo da família de herbicidas Roundup. Essa inovação impactou diretamente na redução de custos, já que no passado era necessário neutralizar o efluente antes do tratamento.

Já a recuperação do Hidrogênio (H2) faz com que ele se torne um combustível alternativo limpo e com poder calorífico equivalente a aproximadamente três vezes o do gás natural. “Em vez de queimá-lo e simplesmente descartá-lo, agora nós o enviamos a uma companhia parceira para ser utilizado com gás de queima em uma caldeira com cogeração de energia para o Polo de Camaçari”, conta Barreira.

Números 
A Monsanto consegue hoje recuperar 100% do HCl subproduto da operação. Sendo assim, a empresa deixou de gerar 50 mil toneladas de efluente, o que equivale a uma economia de US$ 4.5 milhões ao ano. Já em relação ao Hidrogênio, 5.800 toneladas do gás deixaram de ser queimados desde 2015, isso significa que 42 mil toneladas de Gás Carbônico (CO2) deixaram de ser emitidos. Além disso, a receita obtida com a venda do H2 é de US$ 1.5 milhão ao ano.

Prêmios
Os dois projetos da Monsanto venceram o Prêmio ECO da Câmara América de Comércio (AMCHAM), que premia programas inovadores e eficientes na área de sustentabilidade e empresas que transformam ideias em ações que inspiram outras.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade