REVISTA TAE - Embasa e polícias Civil e Militar debatem combate a fraudes de água em Ilhéus

Esta notícia já foi visualizada 161 vezes.

Embasa e polícias Civil e Militar debatem combate a fraudes de água em Ilhéus

Data:23/02/2018- Fonte: Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. - Embasa

Para combater o furto de água em Ilhéus, representantes da Embasa e das polícias civil e militar participaram de uma reunião, no dia15 de fevereiro, na sede da empresa. Os técnicos da Embasa apresentaram as principais irregularidades cometidas e as dificuldades que as equipes de campo enfrentam no dia a dia, devido a dificuldades de acesso a alguns locais.

“Precisamos definir uma agenda que possibilite a presença da polícia nas ações da Embasa, respeitando o fluxo de ocorrências que recebem prioridade, como os crimes contra a vida. Lembramos ainda que é fundamental o apoio do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para dar validade jurídica às irregularidades encontradas, o que somente é possível por meio de laudo pericial”, explicou o delegado titular da 7ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), Evy Paternostro.

Parceria de resultados

Antes mesmo da reunião, investigadores da Policia Civil já vêm acompanharam uma ação da Embasa, no dia 9 de fevereiro. Em uma barraca de praia da orla sul de Ilhéus, técnicos constataram a adulteração do hidrômetro para diminuir artificialmente o volume de água registrado. Com a perícia no equipamento, a empresa poderá adotar medidas judiciais e administrativas, como a cobrança de multa estabelecida em R$ 35 mil. “Não é só o prejuízo financeiro que nos preocupa. O passivo ambiental é incalculável, porque quem consome sem compromisso desperdiça muito mais. Ilhéus passou por racionamento em 2016 e não queremos que o furto de água contribua para que a cidade sofra novamente com o problema”, esclareceu Uillas Batista, gerente comercial da Unidade Regional de Itabuna, responsável pela operação da Embasa em Ilhéus e em outros 26 municípios da região.

“A Embasa pode contar com o apoio da Polícia Militar para garantir a segurança dos seus técnicos. Acreditamos que uma parceria como essa possa intimidar aqueles que fraudam o consumo de água e se acham impunes”, afirmou o tenente Erinaldo Dantas, que representou a 69ª Companhia Independente da Polícia Militar no encontro.

O grupo de trabalho definiu que o acompanhamento da polícia será requisitado inicialmente junto a grandes consumidores e a usuários que são reincidentes na prática do furto de água. “Nosso trabalho continua, e sabemos que seria impossível a polícia nos acompanhar a todo momento. A população também precisa fazer sua parte, procurando a Embasa para regularizar a situação de seu imóvel e denunciando possíveis irregularidades”, salientou Uillas.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade