REVISTA TAE - Compesa anuncia mudanças no contrato da PPP do Saneamento da Região Metropolitana do Recife

Esta notícia já foi visualizada 242 vezes.

Compesa anuncia mudanças no contrato da PPP do Saneamento da Região Metropolitana do Recife

Data:21/03/2018- Fonte:Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa)

Para garantir a execução do imenso Programa de Saneamento estabelecido no Governo Paulo Câmara e ampliar o avanço das obras de saneamento nas 15 cidades da Região Metropolitana do Recife, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) fez a repactuação do contrato com a BRK Ambiental, na maior Parceria Público Privada de Saneamento em execução do Brasil. Nesta segunda-feira (19), o presidente da Compesa, Roberto Tavares, explicou as mudanças do contrato, que teve a sua primeira versão em 2013, durante entrevista coletiva na sede da empresa, no bairro de Santo Amaro. A mudança mais significativa diz respeito à  obrigação de investimentos do parceiro privado, que aumentou. Antes, do total de recursos que seriam aplicados no Programa Cidade Saneada, 25% era de responsabilidade da Poder Público e 75% do Parceiro Privado. Com a repactuação, foram transferidos mais investimentos para a BRK Ambiental, que será responsável por 87% dos recursos previstos no programa, ou seja, R$ 5,8 bilhões do total de R$ 6,7 bilhões – valores estes atualizados para 2017, considerando que a data base era de 2012.  Caberá ao setor público investir R$ 870 milhões para a ampliação dos serviços de coleta e tratamento de esgoto, o que corresponde a 13% dos investimentos previstos no programa.

Com o aumento dos investimentos no Programa  Cidade Saneada, ficou acordado também que a BRK Ambiental terá mais tempo para concluir o programa. “O governador Paulo Câmara estava preocupado com a crise financeira que dificultou a captação de recursos federais para o saneamento. Encontramos uma alternativa, que foi acompanhada pelo TCE na pessoa do Conselheiro Dirceu Rodolfo, que permitisse a continuidade da nossa Parceria. Repassamos investimentos para o Parceiro Privado e ampliamos o prazo de execução das obras, para garantir a universalização do esgotamento sanitário na RMR”, explicou o presidente da Compesa, Roberto Tavares. “Temos um horizonte de ampliação do esgotamento sanitário muito ousado, se considerarmos o cenário brasileiro, onde o desembolso de recursos federais está cada vez mais escasso. Com essa repactuação, a gente prevê o aumento da cobertura para 53% até 2025 e de 90% até o ano de 2037”, observou o titular da estatal. Em 2013, quando iniciou o Programa  Cidade Saneada, a cobertura dos serviços de coleta e tratamento de esgoto na RMR era de 30%. Hoje, esse índice é de 37%.

De 2018 até 2023, a previsão é iniciar obras em boa parte das cidades da RMR (Recife, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Paulista, Olinda, Goiana, Camaragibe, São Lourenço da Mata e Ipojuca). Algumas das obras previstas para iniciar no segundo semestre desse ano prevê implantar a primeira etapa dos Sistemas de Esgotamento Sanitário (SES) dos municípios do Cabo de Santo Agostinho (área central) e Goiana (Centro e Ponta de Pedras). No Recife, estão em andamento as obras de ampliação da ETE Cabanga, serão retomadas as obras na Imbiribeira e Boa Viagem, e também serão iniciadas obras em Jardim São Paulo, que vão beneficiar vários bairros da Zona Oeste da cidade. De 2024 a 2029, começarão a ser feitas as obras  nos municípios de Araçoiaba, Igarassu e Ilha de Itamaracá. Por fim, o cronograma prevê entre os anos de 2030 e 2035, executar obras de ampliação do esgotamento sanitário nas cidade de Moreno e Abreu e Lima, municípios estes que já contam com cobertura parcial de serviços de esgoto, e ainda de Itapissuma (implantação do sistema).



Outra mudança ocorrida  no novo contrato é que o parceiro privado, a BRK Ambiental, terá serviços comerciais associados adicionais e remodelados em relação ao que hoje já é prestado por ela. Segundo o diretor de Gestão Corporativa, Décio Padilha, o objetivo da  iniciativa é permitir que  a BRK desenvolva ações comerciais que visem a redução da inadimplência.  “O privado tem mais flexibilidade para contratação de pessoal e a expertise, instrumentos de cobrança para reduzir a  inadimplência”, explica Décio Padilha.

Durante a entrevista,  o diretor de Novos Negócios da Compesa, Ricardo Barretto, fez um  balanço  do Programa Cidade Saneada. Até o momento, já foram investidos R$ 650 milhões pelo Programa Cidade Saneada, desse volume, 90% pelo parceiro privado. Um dos objetivos do programa, a recuperação de unidades operacionais, 150 já foram finalizadas, de um total de 180. Outro avanço  registrado foi  o atendimento de 100% dos chamados para serviços de desobstrução da rede de esgoto no prazo de 48 horas, sendo que 80%  desse são atendidos nas primeiras 24 horas”, comemorou o diretor de Novos Negócios, Ricardo Barreto. Segundo ainda o diretor, a Compesa nos cinco anos do contrato, quadruplicou o volume de esgoto tratado, passando de 540 litros por segundo para 2.221 litros/segundo. Atualmente, o Programa Cidade Saneada  está  executando obras  em  São Lourenço da Mata,  Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista e Cabo de Santo Agostinho. Ricardo Barretto também esclareceu que o relacionamento com o  cliente continuará com a Compesa, no mesmo formato da versão anterior do contrato.

Repactuação do Programa Cidade Saneada

Total de Investimentos (R$ 6,7 bilhões)

Parceiro privado – R$5,8 bilhões (87%)

Compesa – R$ 870 milhões (13%)

Evolução da cobertura de esgotamento sanitário

2013 – 30%

2018 – 37%

2025 – 53%

2030 – 75%

2037 – 90%

 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade