REVISTA TAE - Caema discute funcionamento das Estações Elevatórias de Esgoto

Esta notícia já foi visualizada 331 vezes.

Caema discute funcionamento das Estações Elevatórias de Esgoto

Data:23/03/2018- Fonte:Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema)

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) organizou um seminário para debater melhorias para o funcionamento das Estações Elevatórias de Esgoto (EEE). O evento faz parte da programação da XII Semana Estadual de Proteção e Preservação das Águas Doces, que começou, oficialmente, no dia 12 e prossegue até dia 24 deste mês. 
 
As discussões giraram em torno das melhorias para a operação das elevatórias e a importância desses equipamentos para o tratamento correto de esgoto e preservação do meio ambiente. Os debates foram realizados na sexta-feira (16), no auditório da sede da Companhia. Participaram cerca de 80 funcionários e diretores das diretorias de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente e a de Engenharia e Meio Ambiente. 
 
O presidente da Caema, Carlos Rogério Santos Araújo, e os diretores de Engenharia e Meio Ambiente, João José Azevedo, e de Operações, André dos Santos Paula, participaram dos debates que envolveram temas como minimizar os impactos ambientais decorrentes das operações de tratamento realizadas pela Caema. 
 
A gerente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Laís Moraes Rêgo, enfatizou que, além do objetivo inicial de capacitar os funcionários apresentando alternativas e soluções de melhorias técnicas a serem implantadas na operação, visando melhorias para a preservação do meio ambiente, o seminário serviu como ponto de sensibilização e interação entre os participantes.
 
“O seminário se constitui como uma capacitação completa, pois, também, chama a atenção para discutir alternativas e soluções de forma a integrar o ponto de vista da operação a engenharia propriamente dita e a visão macro sobre o meio ambiente. É importante que essas informações se cruzem e interajam, dando respostas eficientes na questão da operação e da engenharia, de forma que tenha, também, impactos positivos sobre a proteção do meio ambiente que coexistimos”, afirmou Laís Moraes Rêgo
 
Como funciona uma EEE
 
O volume de efluentes que chega às Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) seguem um trajeto extenso até o destino. Por isso, além das ETE, há outro aparelho importante que é a Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), que têm a finalidade de concentrar a armazenagem rápida e fazer o bombeamento de volumes de esgoto até as estações, onde este receberá tratamento.
 
Após ser coletado pelas redes e ramais residenciais, o esgoto segue, por meio de gravidade, para tubulações maiores, os interceptores (tubos de amplo diâmetro) que concentram estes resíduos. A partir da recepção destes volumes, a elevatórias são exigidas devido a necessidade de transpor profundidade, baixa declividade ou elevação de terreno por causa do trajeto seguido, para bombear a água e os resíduos destas tubulações profundas.
 
“Há um cálculo que diz que, em média, 80% de todo o consumo de água em uma residência seja coletado pela rede doméstica. Isso resulta em uma parcela de dejetos e rejeitos de resíduos sólidos que exigem, em alguns casos, que as elevatórias estejam equipadas com dispositivos de pré-tratamento como grades, barras ou cestos, porque, em um dado momento, a quantidade de sólidos atinge um volume capaz de provocar entupimentos e causar outros danos às tubulações”, explica a coordenadora de Planejamento e Gestão de Bacias da Caema, Andréa Leite. Ela afirma que esses equipamentos são necessários em áreas próximas a mananciais, impedindo a contaminação desses locais.
 
O esgotamento sanitário em São Luís se dá a partir de quatro grandes sistemas:  Jaracati, Bacanga, Vinhais e Anil. Dentro deste grande sistema, a Caema opera 71 EEE que dão suporte a três grandes equipamentos para tratamento do esgoto coletado na ilha nas ETEs  Jaracati, Bacanga e Vinhais. 
 
Atualmente, a Caema trabalha no projeto de expansão do número de elevatórias juntamente à construção da ETE Anil, outro aparelho que somará suas atividades o tratamento de 100 litros de esgoto por segundo), às três grandes ETEs já existentes. 
 
Para dar suporte a ETE Anil, estão em andamento a construção de 6 novas elevatórias, sendo a maior delas a grande Estação Elevatória Final que receberá todo o esgoto destinado, localizando-se já dentro do parque de tratamento da ETE Anil. 
 
Além das destinadas para compor o Sistema Anil, duas outras elevatórias de porte médio para o Sistema Vinhais estão em fase de conclusão no Ipase e no Vinhais, além da elevatória do Rio Claro, obra já concluída e em fase de testes para operação definitiva. 
 
Outras três serão entregues brevemente para operarem no Sistema Bacanga (elevatórias Bacanga).  No Sistema São Francisco, serão postas em operação duas elevatórias, uma destinada a operar na Sub Bacia Canaã e outra que será implantada na área da Ilhinha.
 
“Todas estas elevatórias e mais a construção da ETE Anil fazem parte do grande projeto que o Governo do Estado do Maranhão vem desenvolvendo para mudar a realidade do saneamento básico em São Luís”, afirmou o presidente da Caema, Carlos Rogério Araújo. 
 
O presidente da Cema destacou os investimentos que o Governo do Estado está realizando, por meio do Programa Mais Saneamento. “Uma realidade que já demonstra alterações positivas na vida da população, por meio da promoção de vários benefícios como a promoção de saúde preventiva e, também, de turismo e lazer com impactos sobre a balneabilidade e no meio ambiente”.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade