REVISTA TAE - Mais da metade da população brasileira ainda não tem cobertura de esgoto

Esta notícia já foi visualizada 160 vezes.

Mais da metade da população brasileira ainda não tem cobertura de esgoto

Data:28/03/2018- Fonte:Assessoria de Imprensa


Cobertura média no Brasil é de 49,8% da população e deste percentual somente 40,8% é tratado, aponta o professor e biólogo Fábio Campos, em palestra, promovida pela Abrafiltros no Dia Mundial da Água.

Ainda há um longo caminho a percorrer para a conquista da universalização dos serviços de saneamento básico. Não estamos parados, mas caminhamos muito devagar. Esta foi a afirmação do professor doutor Fábio Campos, biólogo com mestrado em Engenharia Sanitária pela Escola Politécnica da USP e doutorado em Ciências pela Faculdade de Saúde Pública da USP, na palestra “Poluição das Águas – Um panorama da Situação Atual Brasileira”, ministrada no dia 22 de março, Dia Mundial da Água, na sede da Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas – Automotivos e Industriais, em Santo André/SP.

Ele destacou a falta de investimentos do Brasil em saneamento e tratamento de esgoto, colocando em risco a qualidade da água dos rios. O presidente da Abrafiltros, João Moura, considerou o tema muito oportuno e altamente importante, pois a água é um recurso natural que não pode ser desperdiçado e com o evento a associação chama a atenção para a preservação e o cuidado com este bem tão precioso da humanidade.

Na apresentação, Campos alertou que, apesar de a água ser um recurso natural renovável, precisa ser cuidada já que é finita. Há 1,4 bilhão de km³ de água na Terra, mas apenas 132 mil km³ disponíveis em água superficial, enquanto a população só cresce.

A América do Sul conta com 25% da água mundial e 6% da população. Privilegiado, o Brasil tem 12% de toda a água doce disponível no mundo. Quase 70% estão localizadas na Região Norte; 15,7% na Centro-Oeste; 6,5% na Sul; 6% na Sudeste e pouco mais de 3% na Nordeste. “O que adianta ter 12% de água se não sabemos o que fazer?”, disse. Sem falar na cobertura de esgoto. A média no Brasil é de 49,8% da população e deste percentual coletado, somente 40,8% é tratado.

De acordo com o biólogo, não há estações de tratamento de água e esgoto suficientes no Brasil. “Faltam investimentos. Segundo estudos, para a universalização do saneamento é preciso investir cerca de R$ 303 bilhões em 20 anos”, afirmou.

Segundo dados divulgados em 2015 pelo SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento,  só as capitais lançaram 1,2 bilhão de m³ de esgoto sanitário na natureza em 2013.

“O saneamento não pode ficar restrito a interesses políticos e pesquisas desenvolvidas na academia. Embora o tratamento de esgoto não renda votos, este cenário precisa ser modificado”, alertou o professor, acrescentando que o volume de perda de água é grande, devido principalmente, a uma infraestrutura antiga e a precária manutenção na rede.

Ele explicou que o descaso com o saneamento traz sérias consequências, sendo a mais sensível, a morte da vida aquática devido a introdução de grandes cargas de matéria orgânica que ocasionam a escassez de oxigênio, em função do favorecimento e a proliferação de bactérias.

Inicialmente, as bactérias aeróbias levam ao esgotamento de oxigênio dissolvido e dão lugar às bactérias anaeróbias, que liberam gases como metano, sulfídrico e resultam na coloração escura da água, características de um rio morto.

“Graves problemas de saúde são causados por toxinas liberadas por cianobactérias – microcistinas –  às quais proliferam além do normal em função da eutrofização, excesso de nutrientes tóxicos resultantes do lançamento in natura de esgoto”, adverte.

Campos falou também sobre a situação do esgotamento sanitário e tratamento de esgoto nas grandes bacias hidrográficas. Na Bacia Amazônica, apenas 9,7% de domicílios são ligados à rede de esgoto; na Bacia Tocantins-Araguaia, 18% do esgoto é coletado e 6% tratado; na Bacia do São Francisco, com a transposição vai receber mais 57% de esgoto; na Bacia Paraná, onde há 1/3 da população brasileira, o IQA (Índice de Qualidade da Água) é péssimo em 61% dos pontos monitorados (891 pontos).

Para ele, a experiência mundial demonstra haver dois caminhos para solucionar a situação do saneamento: “privatização ou reestatização, sendo que no cenário brasileiro, talvez o exemplo chileno de estatização esteja mais próximo da nossa realidade”.

O evento fez parte do Ciclo de Palestras Abrafiltros 2018, que em 19 de abril abordará o tema “Gestão de Negócios: Inovação com competência”, e contará com a presença do Prof. Dr. Cesar Akira, Coordenador de Pós-Graduação em Negócios – IBMEC São Paulo.

O evento acontece, das 11h às 12h30, na sede da Abrafiltros que fica localizada no Centro Empresarial Pereira Barreto em Santo André/SP. As vagas são limitadas e as inscrições gratuitas. Informações no site www.abrafiltros.org.br/inscricao.

Serviço:

CICLO DE PALESTRAS ABRAFILTROS 2018

Palestra: “Gestão de Negócios: Inovação com competência”

Palestrante: Prof. Dr. Cesar Akira, Coordenador de Pós-Graduação em Negócios – IBMEC São Paulo.

Data:        19/04/2018 (quinta-feira)

Horário:  11h00 às 12h30

Local: AUDITÓRIO – CENTRO EMPRESARIAL PEREIRA BARRETO

Av. Pereira Barreto, 1395 – Bairro Paraíso – Santo André (SP)

Inscrições gratuitas: www.abrafiltros.org.br/inscricao

 

Sobre a Abrafiltros:

 

Criada em 2006, a Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas – Automotivos e Industriais – reúne os principais fabricantes de filtros automotivos e industriais do País. A entidade associação nasceu da necessidade do segmento ser representado e promove ações visando o desenvolvimento e fortalecimento do setor.

 
 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade