REVISTA TAE - Apecs defende acelerar o saneamento para melhorar a saúde da população

Esta notícia já foi visualizada 213 vezes.

Apecs defende acelerar o saneamento para melhorar a saúde da população

Data:27/04/2018- Fonte:www.maxpress.com.br

As crianças são as mais afetadas por doenças de transmissão hídrica

Os investimentos em saneamento têm impactos diretos na saúde da população. As principais vítimas do atraso dos empreendimentos do setor são as crianças, principalmente aquelas que vivem em países em desenvolvimento. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), 88% das mortes por diarreia no planeta são causadas pelo saneamento inadequado e, destes óbitos, 84% são de crianças. 

A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) revela ainda que a diarreia é a segunda causa de morte de crianças menores de 5 anos de idade. Estimativas apontam que 1,5 milhões de crianças nessa idade morrem anualmente vítimas de doenças diarreicas. No Brasil, pesquisa do IBGE (2012) mostra que as enfermidades de transmissão feco-oral, especialmente as diarreias, respondem por mais de 80% das doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado. 

“Em pleno século 21, uma grande parcela da população brasileira ainda convive com problemas da Idade Média”, critica o engenheiro Luiz Pladevall, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental). 

“Esses números reforçam que o saneamento não se transformou em uma política pública de Estado, obrigando uma grande parcela da população, principalmente os mais pobres, a conviver com condições inadequadas dos serviços de água e esgoto”, reforça o dirigente. 

O presidente da Apecs lembra ainda que aproximadamente 45% da população brasileira vive sem tratamento do esgoto. Em 70% dos 5.570 municípios, o tratamento de esgoto tem, no máximo, 30% de eficiência. “Só conseguiremos mudar essa realidade com fortes investimentos. Infelizmente não é isso que ocorre hoje”, ressalta Pladevall. 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade