REVISTA TAE - Cuiabá terá universalização do saneamento básico com investimento de R$ 228 milhões em 20 meses

Esta notícia já foi visualizada 139 vezes.

Cuiabá terá universalização do saneamento básico com investimento de R$ 228 milhões em 20 meses

Data:08/05/2018- Fonte:24 horas news / www.abconsindcon.com.br

As obras no Sistema Ribeirão do Lipa envolveram a instalação de 8 km de novas adutoras. Essas grandes tubulações de ferro fundido são responsáveis por levar a água tratada diretamente das ETAs à rede de distribuição e foram elaboradas a fim de prevenir rompimentos e eventuais danos ao fornecimento do serviço.

Cuiabá está caminhando rumo à universalização do saneamento básico, com o investimento de R$ 228 milhões ao longo de 20 meses. Os recursos, que compreendem o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre a Prefeitura de Cuiabá, o Ministério Público do Estado e a empresa Águas Cuiabá, representam parte dos esforços dedicados, que contam também com o empenho de R$ 1,2 bilhão pelos próximos sete anos. Uma fração desta quota resultou na entrega da primeira etapa do Sistema de Abastecimento do Ribeirão do Lipa, realizada nesta quinta-feira (03). As obras permitirão o aumento no volume de água captada, tratada e distribuída, contemplando cerca de 50 mil pessoas em 23 bairros. A solenidade ainda foi marcada pela apresentação do plano de ação para os 300 anos da Capital, que inclui uma série de medidas que transformarão a atual realidade enfrentada pelo município.

“Este emblemático ato representa a redenção da história do saneamento básico de Cuiabá. Como o maior investimento do gênero já realizado em nossa Capital, vamos finalmente virar a página deste momento de reveses, fracassos e decepções vivenciados pelo nosso povo. Estabelecemos uma nova política pública de desenvolvimento concreto, operando clinicamente para que o alcance dos recursos hídricos seja uma realidade genuína e constante nas residências das nossa cidade. Não estamos poupando esforços e trabalharemos incansavelmente para que 100% dos lares desfrutem deste benefício integralmente. Com a disposição destes recursos, dobraremos nossa capacidade de esgotamento sanitário, que atualmente corresponde a 32%, atingindo a marca de 63%. Essas e outras medidas promoverão o crescimento sustentável das diversas regiões presentes, proporcionando também o respeito à saúde pública, gerando economias significativas na remediação de problemas oriundos do consumo da água impotável”, afirmou o prefeito Emanuel Pinheiro.

As obras no Sistema Ribeirão do Lipa envolveram a instalação de 8 km de novas adutoras. Essas grandes tubulações de ferro fundido são responsáveis por levar a água tratada diretamente das ETAs à rede de distribuição e foram elaboradas a fim de prevenir rompimentos e eventuais danos ao fornecimento do serviço. Os investimentos foram ainda mais além, com a instalação de 6,5 km de redes de distribuição dos recursos hídricos e a construção dos reservatórios Altos do Ribeirão e Bom Clima. Ao todo, ambos possuem a capacidade de armazenamento correspondente a 5,9 milhões de litros. Esta primeira etapa custou R$ 18,2 milhões.

“A ampliação do sistema representa uma atitude ousada, o primeiro passo para o fim da intermitência do abastecimento de água na região do Ribeirão do Lipa. Todo o trabalho feito aqui também pensa adiante, considerando o crescimento inerente da procura que a instalação do novo Pronto Socorro trará. O hospital possui uma estrutura grandiosa e com certeza terá uma demanda latente, que eventualmente exigiria ampliações desse porte. Além disso, já recebemos uma série de solicitações de disponibilidades de água e esgoto, o que significa que novos imóveis serão levantados na área. Para que possamos atender todas as esferas corretamente e cumprir o TAC firmado, é preciso estruturar nossa ETA, o que garantirá também que o fornecimento dos recursos sejam garantidos 24h com qualidade para a Capital”, revelou Marcelo Oliveira, diretor da Águas Cuiabá.

Em se tratando dos investimentos que marcarão o tricentenário da cidade, várias ações serão realizadas nos Sistemas Parque Cuiabá, Coophema, Ribeirão do Lipa, Dom Aquino e Tijucal. Após um aprofundado estudo de planejamento realizado pela Águas Cuiabá, algumas adequações foram manifestadas, gerando uma alteração no cronograma estratégico de operação previamente contemplado pelo TAC. Conforme pontuou Luiz Fabbriani, diretor-geral da concessionária de abastecimento, os Sistemas Parque Cuiabá e Coophema foram substituídos por um método único, intitulado Sistema Sul. A nova alternativa será revolucionária para o município, trazendo uma estrutura completamente nova.

“Após um aprofundado estudo, diagnosticamos que essas duas ETAs não teriam espaço para realizarmos o devido tratamento do lodo, que é uma obrigação ambiental. Pensando em uma solução que fosse mais eficaz, decidimos construir um novo sistema, que será um patrimônio ativo para todos os cuiabanos. Indo mais além, viu-se a necessidade de ampliar a estação de tratamento dentro da área das instalações da ETE Tijucal e construir um novo coletor e emissário de esgoto. Essa medida visa proteger o Rio Coxipó e coibir o escoamento de resíduos em seu curso. Essas mudanças trarão soluções mais eficazes, uma vez que a unificação apresentada não só contempla a abrangência e as capacidades previstas para os sistemas de água do Coophema e Parque Cuiabá, como também proporcionará que – futuramente – a nova ETA tenha sua capacidade ampliada para tratar até 1000 L/s”, salientou.

Com tantos investimentos no saneamento básico em curso, o papel do cidadão diante de tudo isso foi amplamente explanado pelo promotor de justiça Gerson Barbosa. Para o titular da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá, o monitoramento é um aspecto essencial para que os trabalhos sejam concluídos, considerando a vasta dimensão dos reflexos das obras a serem executadas.

“Estamos diante de algo que é genuinamente grandioso, principalmente se pensarmos que 45% dos municípios do Brasil não possuem qualquer tratamento de esgoto. Para que o problema da universalização fosse solucionado, seria necessário um investimento de R$ 155 bilhões, no prazo mínimo de 2035. Isso significa que uma média de R$ 35 milhões seria destinada por cidade. Cuiabá terá, até 2023, a prestação completa e plena dos serviços de água e esgoto, mediante um orçamento de R$ 1,12 bilhão. Poucos lugares no nosso país possuem essa mesma realidade. O que nos resta diante deste quadro, como representante da população através Ministério Público do Estado, é acompanhar este processo, exigindo informações e prestações de contas. Sei que estamos diante de instituições sérias e comprometidas, e só quero fortalecer o valor que cada munícipe possui diante desta missão. Cuiabá crescerá vertiginosamente e é fundamental que cada contribuinte fiscalize os trabalhos, nos ajudando a conduzir o cumprimento deste TAC”, concluiu.


+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade