REVISTA TAE - Nova edição no ar da Revista TAE

Esta notícia já foi visualizada 111 vezes.

Nova edição no ar da Revista TAE

Data:04/06/2018- Fonte:Revista TAE

O longo caminho do saneamento

Depois de um início promissor em 2017, as movimentações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na articulação para estruturação de PPPs – parcerias público-privadas – seguem em ritmo mais lento em 2018, considerado um ano para estruturação de estudos técnicos e projetos, com prazo estimado de conclusão no terceiro trimestre. 

Para que seja realizada a concessão, parceria ou privatização dos serviços conforme o caso, cada projeto deverá passar pela aprovação das respectivas assembleias legislativas estaduais, o que transfere a expectativa por mudanças para 2019, além de reacender a discussão sobre qual o melhor modelo a ser empregado para que no final das contas, o saneamento possa avançar de maneira sustentável, com melhoria da qualidade e abrangência geográfica, sem penalizar os consumidores finais.

O fato é que se faz necessária uma mudança objetiva nos sistemas de gestão. Com raras exceções, o atual modelo estatal provou não ser funcional para gerar o resultado esperado pela sociedade, sendo notório que o avanço do saneamento no País acontece em ritmo muito abaixo do desejado, além de diversas estatais estarem com graves problemas operacionais e financeiros. Por isso, quando o BNDES iniciou os trâmites das PPPs em 2017, 17 estados demonstraram interesse, mas devido a questões que envolvem o cumprimento de requisitos e também a tendência de desestatização, cerca da metade segue no processo. E ainda há o fato da discussão em torno do novo marco regulatório do saneamento, que deve estabelecer as regras efetivas para regular as relações de cooperação e competitividade entre estatais e iniciativa privada, acalorando o debate. Enquanto isso não acontece, a população aguarda sem maiores progressos efetivos, num longo caminho que segue a passos lentos rumo a um futuro ainda incerto.

Nas matérias dessa edição, trazemos o futuro do saneamento na valorização do esgoto; aplicação de processos de bioaumentação na eliminação de gorduras nas caixas de gordura de restaurantes; equipamentos para laboratórios de análises; o crescimento da demanda por reaproveitamento de águas cinzas nos últimos dois anos; uma análise de como os softwares revolucionam a forma de gerenciar estações de tratamento; sistemas de aeração promovem a degradação biológica dos esgotos sanitários e muito mais.




Rogéria Sene Cortez Moura
Editora
 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade