REVISTA TAE - Campo Grande está entre as cidades com menor índice de perda de água, aponta estudo do Trata Brasil

Esta notícia já foi visualizada 95 vezes.

Campo Grande está entre as cidades com menor índice de perda de água, aponta estudo do Trata Brasil

Data:25/06/2018- Fonte:www.abconsindcon.com.br

Campo Grande está entre as cinco cidades com o menor índice de desperdício de água por distribuição e também por ligação. É o que aponta o novo estudo do Instituto Trata Brasil em parceria com a GO Associados, baseado no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) de 2016 e considerando as cem maiores cidades brasileiras.

De acordo com o SNIS, o índice de perdas no sistema de distribuição de água de Campo Grande é de 19,42% enquanto a média nacional é de 38,01%.  A cidade também de destaca no índice de perdas por ligação, atingindo o índice de 124,17 litros por dia por ligação, menos da metade da média nacional, que é de 343 litros por dia por ligação.

O levantamento do Instituto Trata Brasil, aponta que em 2016 o país desperdiçou o equivalente a 7 mil piscinas olímpicas de água potável perdidas todos os dias e uma perda financeira acima dos R$ 10 bilhões/ano. Vazamentos nas tubulações, erros de leitura de hidrômetros e irregularidades, estão entre os principais fatores.

No cenário geral, o índice médio de perdas do Brasil (38,5%) ainda é muito distante dos países mais avançados, que possuem níveis de perdas inferiores a 20%, ficando atrás de países como a Austrália (10,3%) e Estados Unidos (12,8%). Em relação às regiões brasileiras, os estados do Centro-Oeste (35,0%), Sudeste (34,7%) e Sul (36,3%) apresentaram melhor desempenho do que a média nacional (38%) e os estados do Norte (47,3%) e Nordeste (46,3%) têm as maiores perdas.

No país todo, as perdas comerciais, que é o volume de água perdida não faturada por motivo de furto ou falta de medição, é de 2,314 bilhões de m³, as perdas físicas — água faturada perdida nos vazamentos —, de 3,471 bilhões de m³, e as perdas de volume de serviços — com carros de bombeiro e caminhões-pipas, por exemplo —, de 593 milhões de m³.

Rede de Esgoto
Em Campo Grande, a rede de esgoto já atinge cerca de 80% de cobertura, ultrapassando os índices de Mato Grosso do Sul (33,6%) e do Brasil (48,6%). Os resultados demonstram que os investimentos em saneamento têm um impacto direto na saúde em Campo Grande. Com a ampliação da rede de esgoto em 80% nos últimos 15 anos, foi verificada uma redução de 91% de internações hospitalares por doenças diarreicas. A capital sul mato grossense deverá ser ainda uma das primeiras capitais brasileiras a alcançar a universalização da coleta e tratamento de esgoto. Na terceira etapa do Programa Sanear Morena 3 estão previstos R$ 636 milhões em investimentos para levar o saneamento básico a toda a cidade até 2025.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade