REVISTA TAE - ‘Microbacias II’ auxilia 27 comunidades quilombolas no Estado de SP

Esta notícia já foi visualizada 96 vezes.

‘Microbacias II’ auxilia 27 comunidades quilombolas no Estado de SP

Data:28/06/2018- Fonte:www.saopaulo.sp.gov.br

No evento de comemoração de 51 anos da CATI, famílias de Quilombos ressaltaram as conquistas por meio do programa

Do Portal do Governo

Desde 2011, comunidades remanescentes de quilombo fazem parte do “Projeto Microbacias II – Acesso ao Mercado” da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Por meio dele, muitos paulistas recebem auxílio do Governo paulista para aprimorar e ampliar a produção agrícola.

De lá para cá, 26 comunidades já foram beneficiadas pelo projeto e totalizam quase R$ 13 milhões de investimento. No último dia 20 de junho, durante o evento de comemoração de 51 anos da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgão responsável pelo programa, mais uma comunidade passou a fazer parte do Microbacias.

O encontro reuniu diversos representantes do Estado e da agricultura familiar na sede do órgão, em Campinas. Um dos participantes foi Jeferson dos Santos Martins, da Associação dos Produtores Rurais do Quilombo Jaó, no município de Itapeva. Atualmente, a comunidade possui 60 famílias, com cerca de 300 pessoas.

“Fomos beneficiados com o sistema de irrigação, mas antes disso tínhamos muita dificuldade para irrigar nossas hortas. Cada um tinha que possuir sua motobomba de água, agora é tudo por gravidade e ajudou muito”, conta. Além disso, ele revela que por meio da ajuda do Estado será possível criar rotas de turismo para aumentar a renda local.

De maneira geral, os recursos disponibilizados permitiram que essas comunidades adquirissem equipamentos, maquinários, veículos utilitários, barcos, assim como construíssem centros comunitários e fomentassem o turismo.

“Para nós, enquanto quilombolas, esse Projeto é o reconhecimento da luta dos povos e o trabalho do Microbacias II tem fortalecido e organizado as comunidades para acessar o mercado”, afirmou Nilse Pontes Pereira Sanos, representante da Coordenadoria Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conac) e presidente da Associação dos Remanescentes de Quilombo do Ribeirão Grande/Terra Seca, em Barra do Turvo.

A cerimônia da CATI também foi um momento para lembrar todas essas conquistas e ressaltar o desenvolvimento da agricultura paulista, responsável por 20% do PIB do agronegócio de todo o país. Os vídeos e depoimentos apresentados no dia sensibilizou grande parte do público presente.

“Quando ouvi e vi a mudança da realidade dessas comunidades e a pureza de cada depoimento, me emocionei, pois trata-se de uma vitória para essas comunidades. Muito mais do que o valor monetário investido, é o valor do reconhecimento como cidadão”, conta Eliseu Aires de Melo, diretor da CATI Regional Avaré.

É importante ressaltar também o trabalho que a Fundação Instituto de Terras (Itesp) tem desempenhado diante a essas comunidades. A entidade, que planeja e executa políticas agrária e fundiária no Estado, é responsável pelo reconhecimento dos Quilombos. Hoje, mais 1.400 famílias quilombolas em diversos municípios recebem assistência técnica do órgão.

“Me sinto muito feliz pela homenagem, pois isso é reconhecimento. Estendo essa homenagem aos meus companheiros de trabalho também”, afirmou o responsável técnico da Fundação Itesp, Valmir Mariano Ribeiro, que recebeu uma placa de reconhecimento ao lado de outros técnicos da CATI.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade