REVISTA TAE - Sanção da MP que moderniza marco regulatório coloca finalmente o saneamento na Agenda Brasileira

Esta notícia já foi visualizada 82 vezes.

Sanção da MP que moderniza marco regulatório coloca finalmente o saneamento na Agenda Brasileira

Data:12/07/2018- Fonte:www.abconsindcon.com.br

ABCON defende as mudanças para que os investimentos no setor sejam finalmente incentivados, e o Brasil consiga reduzir o déficit histórico na cobertura dos serviços de água e esgoto 

A Medida Provisória que moderniza o marco regulatório do saneamento, sancionada dia 06.07 pelo presidente Michel Temer, em Brasília, é essencial para que o Brasil consiga ampliar sua atual cobertura dos serviços de água e esgoto.

Essa é a avaliação da ABCON (Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto) sobre a iniciativa do Ministério das Cidades de encaminhar mudanças na Lei do Saneamento (Lei 11.445/07), considerada o marco regulatório do setor, por meio da Medida Provisória ora sancionada.

Entre outros desdobramentos, as mudanças ampliam a competitividade ao permitirem que a iniciativa privada possa apresentar propostas quando da renovação dos contratos de concessão firmados entre municípios e empresas estaduais. Hoje, essa renovação acontece automaticamente, sem a chance de que outros players possam sequer manifestar seu interesse, oferecendo condições melhores para a gestão dos serviços, com regras claras de investimentos comprometidos e metas de expansão dos serviços.

“A escassez de recursos públicos para o saneamento se agravou nos últimos dois anos com a crise fiscal. Com isso, a realidade das companhias públicas de saneamento segue, na maioria das vezes, um perfil desanimador. Por falta de investimentos, algumas cheguem a perder mais de 70% da água que produzem, e a maior parte do faturamento dessas companhias é consumida com a folha de pagamento”, afirma Santiago Crespo, presidente da ABCON.

Com o chamamento público, a ABCON prevê a ampliação de investimentos a partir das concessões à iniciativa privada, aliviando a paralisação de investimentos públicos no setor. Dados do SNIS (Serviço Nacional de Informações sobre Saneamento) indicam que pouco mais da metade do esgoto produzido é coletado, e apenas 44,9% é tratado. Além disso, mais de um terço da água potável produzida é perdida em sistemas obsoletos e sem a devida manutenção.

Para a ABCON, o incentivo à parceria entre os setores público e privado faz com que o Brasil retome seu compromisso com a universalização dos serviços de água e esgoto, prevista pelo Plansab (Plano Nacional de Saneamento Básico) para 2033 – prazo que só será cumprido, de fato, na década de 2050, se o país mantiver os baixos investimentos registrados nos últimos anos no setor. 

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade