REVISTA TAE - Portugal e Espanha devem aprofundar diálogo político sobre a água dos rios

Esta notícia já foi visualizada 676 vezes.

Portugal e Espanha devem aprofundar diálogo político sobre a água dos rios

Data:06/09/2018- Fonte:www.jn.pt

Perspetiva da Ilha dos Amores e do cruzamento dos rios Paiva e Douro, que assinala o encontro dos distritos do Porto, Aveiro e Viseu

Foto:  MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O diálogo político entre Portugal e Espanha na gestão da água dos rios ainda é insuficiente, disse o presidente da comissão organizadora do X Congresso Ibérico de Gestão e Planeamento da Água.

"Ao nível social e das organizações não-governamentais essa articulação é mais forte do que ao nível político e isso tem de ser alterado", preconizou João Pedroso de Lima, salientando que existem "rios em que o diálogo entre Portugal e Espanha ainda não é o que devia ser".

Professor de hidrologia e recursos hídricos da Universidade de Coimbra, cidade onde vai decorrer, esta quinta e e sexta-feira, o congresso organizado pela Fundação Nova Cultura da Água, considera que "tem de haver um real interesse político para que as relações sejam melhoradas".

Para o presidente do X Congresso Ibérico de Gestão e Planeamento da Água, o plano de adaptação às alterações climáticas "ainda não está a ser implementado como devia ser" devido a insuficiências na articulação dos dois vizinhos ibéricos.

Defendendo que Portugal precisa de uma nova política da água, o antigo presidente da EPAL (Empresa Portuguesa das Águas Livres), João Bau, lamentou que as questões da água "não contem" para a agenda política e "não tenham centralidade".

"No orçamento de Estado não há nenhuma discussão em relação à água", sublinhou o coordenador do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), que considera fundamental passar "do plano técnico para as estratégias".

O investigador, que integra o comité científico do congresso, entende que Portugal precisa de "instrumentos para negociar com Espanha", de onde vêm os grandes contributos sobre o setor, "para combater as alterações climáticas", problema para o qual já existe no país "uma consciência acrescida" depois dos incêndios graves e das secas severas de 2017.

O X Congresso Ibérico de Gestão e Planeamento da Água reúne em Coimbra mais de 200 especialistas que vão debater a gestão dos rios, as políticas europeias sobre a água e os impactos das alterações climáticas.

A iniciativa, única na área, que cumpre 20 anos desde que se reuniu pela primeira vez em Saragoça, reúne no mesmo evento o mundo académico e administrativo com os grupos sociais e ambientais defensores dos rios e dos ecossistemas fluviais de Espanha e de Portugal.

Para o espanhol Pedro Arrojo, nestas duas décadas o setor da água tornou-se interdisciplinar e deixou de ser um tema apenas para profissionais de hidrologia, o que representou um diálogo "muito dinâmico e ativo, um sucesso".

Como segundo ponto positivo, o especialista em Ciências Físicas apontou a diretiva-quadro da água "que veio dar razão aos argumentos defendidos no primeiro congresso", de maneira que as "ideias iniciais se transformaram em políticas e leis europeias".

Um terceiro aspeto, que na opinião de Pedro Arrojo falhou parcialmente, foi a perspetiva ibérica, que "não foi desenvolvida com toda a potência que podia ter sido, talvez porque houve momentos sociais e políticos de diferente sensibilidade entre Portugal e Espanha".

As jornadas, abertas ao público, decorrem no Auditório Laginha Serafim, no Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Coimbra, e estão divididas em quatro temáticas. Hoje debatem-se as questões legislativas da Diretiva-Quadro da Água da União Europeia e a manutenção, a conservação e a restauração dos ecossistemas aquáticos.

Na sexta-feira, os participantes no congresso discutem as alterações climáticas, os seus impactos e possíveis soluções, bem como a dimensão sociocultural da água, focando os aspetos éticos, educativos e dos direitos humanos.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade