REVISTA TAE - Pronasolos começa trabalho de levantamento de dados no Paraná

Esta notícia já foi visualizada 284 vezes.

Pronasolos começa trabalho de levantamento de dados no Paraná

Data:02/10/2018- Fonte:Assessoria de imprensa

Projeto com apoio de Itaipu pretende fazer um levantamento completo dos solos e da vegetação da BP3.


Foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

Técnicos do projeto Pronasolos Paraná começam na próxima semana (8) o levantamento de informações de campo na região Oeste do Paraná, entre os municípios de Toledo e Foz do Iguaçu. A bacia hidrográfica do Paraná 3 é o primeiro local a ser pesquisado em todo o País. O trabalho no Estado vai incluir também a análise de vegetação, especialmente em ambientes ciliares.  O programa é viabilizado pela parceria entre a Embrapa Florestas com a Itaipu Binacional, entre outras instituições.

O projeto Pronasolos Paraná faz parte do Programa Pronasolos de âmbito nacional, iniciativa inédita de grandes proporções que vai elevar o conhecimento sobre os solos brasileiros. O Pronasolos Paraná pretende mapear grande parte do território do Estado e gerar dados com diferentes graus de detalhamento para subsidiar políticas públicas, auxiliar a gestão territorial, embasar a agricultura de precisão e apoiar decisões de concessão do crédito agrícola, entre outras aplicações. 

De 10 de setembro a 5 de outubro, os técnicos participam de um treinamento sobre a atividade, mesclando teoria com prática de campo, durante o qual já começam a fazer coleta de informações em propriedades rurais. A partir de 8 de outubro, começa a fase efetiva de levantamento de dados em 11.450 km² da região (chamada pelo projeto de “Módulo Territorial”), um trabalho que levará dois anos.

“Os técnicos estarão identificados com veículos do Pronasolos Paraná e vão coletar amostras de solo e vegetação, além de realizar observações de campo”, explica Gustavo Curcio, pesquisador da Embrapa Florestas e coordenador estadual do projeto. “Como o trabalho envolve uma área muito grande a ser percorrida, nem sempre será possível informar aos produtores que estaremos em um local realizando as coletas”, informa. “Pedimos, então, compreensão ao trabalho que vamos desenvolver”. 

Além de três pesquisadores da Embrapa Florestas e um pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), seis técnicos fazem parte do projeto, sendo quatro contratados pelo Pronasolos Paraná e dois bolsistas disponibilizados pela Secretaria de Ciência e Tecnologia. 

Também integram o projeto as Secretarias de Estado da Agricultura e Abastecimento, da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, do Meio Ambiente, do Planejamento e Coordenação Geral e dos Institutos Agronômico do Paraná (Iapar), Instituto Ambiental (IAP), Instituto de Terras, Cartografia e Geociência (ITCG) e a Fapeagro.  

Subsídios para planejamentos

O projeto vai preencher uma lacuna de conhecimento a respeito dos solos paranaenses. Os mapeamentos atualmente existentes estão em escala de baixo detalhamento, o que não possibilita planejamentos efetivos. Pela proposta, serão feitos mapeamentos em campo na escala 1:50.000 para solos e 1:10.000 para vegetação, com melhor nível de detalhamento.

Além disso, a inserção do levantamento de vegetação em ambientes de rios e nascentes vai auxiliar o Estado a fazer o planejamento rural com um olhar em sistemas de preservação. “O grande desafio da agricultura hoje é a produção de água”, afirma Curcio. “Essa produção é feita com solos e vegetação conservados, por isso queremos aproveitar que vamos a campo mapear solos para também fazer o levantamento do estado da vegetação em nascentes e rios”, explica. 

O trabalho vai aliar uma intensa atividade em campo, com coletas e análises de amostras de solo (neste módulo, serão 1.374 pedossequências, 1.832 pontos de coletas de amostras, 3.664 pontos de observação morfológica, 300 perfis de solos) e vegetação (458 seções analíticas, sendo 229 em nascentes e 229 em rios), geoprocessamento e montagem de banco de dados.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade