REVISTA TAE - Investir em ações pelo meio ambiente é a principal forma de evitar uma nova crise de abastecimento de água em São Paulo

Esta notícia já foi visualizada 753 vezes.

Investir em ações pelo meio ambiente é a principal forma de evitar uma nova crise de abastecimento de água em São Paulo

Data:08/10/2018- Fonte:www.abconsindcon.com.br

Em junho de 2015, uma espuma tóxica invadiu as ruas de Pirapora do Bom Jesus. Era a poluição do Rio Tietê, que chegou a 54 km da capital paulista e deixou os moradores assustados com a montanha branca que se formou. Durante toda esta semana, a BandNews FM apresenta alguns dos principais desafios que o próximo governador do estado vai enfrentar e a opinião de especialistas sobre o que é possível fazer.

Investir em ações pelo meio ambiente é a principal forma de evitar uma nova crise de abastecimento de água que, em 2014 e 2015, afetou milhões de pessoas na Grande São Paulo. Segundo a ONG SOS Mata Atlântica, a mancha de poluição ocupa 130 km do Tietê. Os 24 km do Rio Pinheiros também são um aterro a céu aberto.

O primeiro passo é investir em saneamento básico: hoje 30% do esgoto da capital paulista não é tratado. Isso é o que dizem especialistas. Na região metropolitana, esse número chega a 50%, diz o presidente-executivo da Instituto Trata Brasil, Edison Carlos.

Aumentar o tratamento de esgoto também é uma forma de evitar uma nova crise hídrica, explicou o coordenador do USP Cidades Globais Marcos Buckeridge. O professor também sugere uma solução para o ar da capital paulista, onde o índice de poluição chega ao dobro do limite estabelecido pela Organização Mundial da Saúde.

Distribuir a vegetação de forma mais igualitária entre as regiões também ajuda a melhorar o ar da maior cidade do País: enquanto o Butantã, na zona sul, tem duas árvores por habitante, a Mooca, na Zona Leste tem 0,2.

O professor do Programa de Ciência Ambiental da USP, Pedro Cortes, defende uma aproximação maior entre áreas verdes e a população. O especialista também sugere uma união entre municípios para a criação de aterros sanitários mais adequados.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade