REVISTA TAE - Emater e Fundação Banco do Brasil assinam convênio para reúso das águas cinzas
Esta notícia já foi visualizada 1263 vezes.



Emater e Fundação Banco do Brasil assinam convênio para reúso das águas cinzas

Data:19/12/2018
Fonte: ASSECOM/RN

A Emater-RN lançou uma parceria feita com a Fundação Banco do Brasil para reuso de águas cinzas – ou água servida gerada das propriedades rurais. A solenidade aconteceu no Sintraf, em São Paulo do Potengi, nesta terça-feira (18), com a presença da diretora geral da Emater-RN, Cátia Lopes, e do superintendente Estadual Fundação Banco do Brasil, Basílio Medeiros. 


O sistema de Reuso de Águas Cinzas servirá para a produção de palmas e capim para nutrição animal. O convênio abrange inicialmente os municípios de Alto do Rodrigues, Alexandria, Lajes, Assu e São Paulo do Potengi, com a instalação de um sistema de reuso de águas cinzas em 44 unidades rurais.  

O objetivo é promover a irrigação localizada de palma forrageira por meio de água servida, após passar por tratamento. Para isso, será utilizado um sistema de filtro anaeróbico e conduzido, através de bombeamento, para uma caixa d´água que realizará a irrigação por gravidade. 

Essa é uma maneira de aproveitar racionalmente a água servida das propriedades rurais – originária das pias ou do banho - e que seria levada à rede de esgoto, fossa séptica ou despejada no quintal sem um aproveitamento adequado. 

A diretora geral da Emater-RN, Cátia Lopes, destaca a importância do convênio. "É a primeira vez que a Emater-RN realiza a parceria de um projeto deste porte com a Fundação Banco do Brasil. O reuso de águas cinzas é sinônimo de sustentabilidade e economia, favorecendo as gerações futuras”. 

O valor total do convênio é de R$ 551.364,96, sendo R$ 408.695,44 da Fundação Banco do Brasil e o restante investidos pela Emater-RN. 

Também participaram do evento o prefeito de Lajes, José Marques Fernandes;  o secretário de agricultura de agricultura de São Paulo do Potengi,  João Maria Ribeiro; técnicos da Emater-RN e agricultores.

Comentários desta notícia

Publicidade