REVISTA TAE - Empresas britânicas apresentam tecnologias para combate às perdas nos sistemas de abastecimento de água

Esta notícia já foi visualizada 630 vezes.

Empresas britânicas apresentam tecnologias para combate às perdas nos sistemas de abastecimento de água

Data:23/01/2019- Fonte:Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa)

Três empresas britânicas apresentaram, suas expertises e novas tecnologias de combate e controle das perdas nos sistemas de abastecimento de água para os técnicos da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa). O encontro ocorreu na sede administrativa da Compesa, no bairro de Santo Amaro, com a participação das empresas LWS, Primayer e Technolog ,  do diretor Técnico e de Engenharia da Compesa, Rômulo Aurélio Souza, além  da gerente do  Consulado Britânico, Gabriela  Figueiredo, e do representante  do Banco Mundial, Thadeu Abibalil.  O evento  marca o início das ações do convênio firmado pelo Governo Britânico com a Compesa para estudar projetos de inovação e de gestão para redução de perdas nos sistemas da Região Metropolitana do Recife (RMR). A parceria prevê o investimento de 5 milhões de libras, nos próximos quatro anos – o equivalente a R$ 25 milhões – para implantar inovações tecnológicas que permitam a Compesa encontrar modelos eficientes de controle das perdas com padrão mundial, e que possam ser replicados em todo Estado.



O plano é que, no primeiro semestre de 2019, seja feito o trabalho de avaliação das empresas do Reino Unido e um diagnóstico pela consultoria contratada pelo Banco Mundial, que sinalizará qual caminho será tomado pela Compesa. Esse diagnóstico vai apontar se o foco desse trabalho será no combate às perdas comerciais (água produzida e não faturada) ou físicas (vazamentos), ou até mesmo se a companhia deverá atuar nessas duas frentes. O trabalho de consultoria será feito pelo especialista Julian Torton, no entanto, as áreas de atuação do convênio serão definidas em comum acordo pela Compesa, Banco Mundial e Governo Britânico. “Vamos avaliar as tecnologias (equipamentos) disponibilizadas por essas empresas, que foram indicadas pelo Consulado Britânico, e se poderão trabalhar junto com a companhia”, explica o diretor Rômulo Aurélio Souza.



Depois de finalizar o diagnóstico dos sistemas de abastecimento, será iniciada a segunda fase do cronograma, que é a execução do projeto. O prazo de conclusão dessa fase é de três anos e meio.Essa parceria, firmada em novembro do ano passado, tem o Banco Mundial como agente operador do convênio, e faz parte das ações do projeto Cidades Inteligentes do Prosperity Fund (Fundo Prosperidade), o fundo global do Governo Britânico.

+ Saiba Mais

Comentários desta notícia

Publicidade