REVISTA TAE - Impulso para um melhor tratamento de água offshore
Esta notícia já foi visualizada 1697 vezes.



Impulso para um melhor tratamento de água offshore

Data:03/07/2019
Fonte: http://www.revistafatorbrasil.com.br

A mudança das regulamentações ambientais em todo o mundo terá um impacto sobre como a indústria offshore lida com a água produzida.

Normalmente, as operadoras offshore tratam suas águas produzidas para que possam ser lançadas de volta ao oceano, embora tenha havido crescente interesse em reinjetá-las na formação, diz Lisa Henthorne, presidente recém-eleita da Sociedade de Água Produzida e vice-presidente sênior e diretor de tecnologia da Water Standard e sua subsidiária de água produzida, a Monarch Separators.

Os limites de descarga tendem a ser mais rigorosos, e alguns operadores estão mudando para produtos químicos verdes, que são menos problemáticos no meio ambiente, como uma forma de atender a essas partes inferiores por milhão (ppm) de tetos. 
 

“Eles biodegradam mais rápido”, diz Henthorne, acrescentando que o floculante verde da Water Standard é chamado H2O Floc. “O nosso é proveniente de algas de água do mar, então ele está voltando para o ambiente de onde veio. É extremamente eficaz, basicamente coletando óleo disperso e sólidos suspensos, para que a água tratada possa ser descarregada ou reinjetada para a irrigação”.

Ao mesmo tempo, os sistemas de filtração aprimorados precisam atender com eficiência a esses limites de descarga mais rigorosos e, ao mesmo tempo, ocupar o espaço mínimo possível em uma plataforma offshore, diz ela. Os sistemas existentes podem precisar de ser substituídos ou complementados à medida que os regulamentos em todo o mundo entrarem em vigor.

Um exemplo é o Brasil, onde novas regulamentações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ??(Ibama) e do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) alteram o método permitido de análise da água tratada para descarte, mantendo o ppm permitido.

Em essência, diz Henthorne, um operador offshore poderia analisar previamente a água tratada através de um método que não captasse hidrocarbonetos polares — benzeno, tolueno, etileno e xileno — e no primeiro trimestre de 2020, eles seriam obrigados a usar uma análise. método que faz. Assim, se o método de análise anterior não captasse 5 ppm de hidrocarbonetos polares e os novos métodos, poderia empurrar a água tratada sobre a permissão máxima, ela diz.

O resultado é que eles podem “precisar de um sistema de tratamento melhor para descarregar a mesma água do que antes”, diz Henthorne. Algumas atualizações, etapas adicionais de tratamento e mudanças no equipamento são prováveis, acrescenta ela, observando que diferentes produtos químicos ou doses aumentadas também podem ser parte da resposta.

Outra resposta pode ser um Sistema de Excursão, que trata a água apenas se exceder o intervalo aceitável para a descarga, diz ela. Ela chama o Sistema de Excursão de um “plano de reserva” para usar no tratamento de água fora das especificações após o tratamento primário. A Monarch Separators vem instalando essas unidades em todo o mundo há mais de uma década.

Reinjeção para irrigação — Algumas operadoras planejam lidar com mais água produzida reinjetando-a para a irrigação. O desafio disso, diz Henthorne, é uma função da geologia, química e permeabilidade do reservatório.

A reinjeção pode exigir que o operador remova ainda mais sólidos suspensos do que se eles estivessem descarregando a água ao mar.

“Esses não são necessariamente removidos facilmente, então eles podem precisar adicionar um dispositivo de flotação ou floculante para combinar esses constituintes finos em um sólido maior para uma remoção eficiente”, diz ela.

A filtragem também ajudará, acrescenta, embora a filtração convencional de mídia seja uma tecnologia que exige muito peso, portanto não é desejável em aplicações offshore. A tecnologia de membranas, como a linha de produtos Ocean Spectrum da Water Standard, é uma alternativa eficiente para filtrar sólidos mais finos em uma configuração compacta e leve, acrescenta.

“Sempre que você está falando sobre offshore e novos equipamentos, a velha história de peso e pegada ainda é verdadeira, é uma característica fundamental. Não vai mudar ”, diz Henthorne. “É aí que as novas tecnologias podem realmente fazer a diferença”. | O Petróleo.

Comentários desta notícia

Publicidade