REVISTA TAE - Suzano amplia projetos socioambientais após megafusão com a Fibria
Esta notícia já foi visualizada 680 vezes.



Suzano amplia projetos socioambientais após megafusão com a Fibria

Data:07/08/2019
Fonte: Revista Nós


Para reduzir o impacto ambiental de suas atividades, a gigante da indústria de base florestal Suzano SA mantém um relacionamento estreito com as comunidades das áreas onde atua. Seus projetos socioambientais vão do incentivo à apicultura sustentável e à agricultura comunitária até a implantação de bibliotecas e programas de educação ambiental em escolas públicas

O Brasil é um país altamente eficiente na produção de celulose. Sua alta competitividade se deve, principalmente, a características ambientais favoráveis, como clima, solo, relevo, composição atmosférica, índice pluviométrico, umidade do ar, vento, radiação e temperatura, e ao investimento em pesquisa e desenvolvimento feito pelas empresas do setor e por órgãos de pesquisa desde o início dos anos 1990. Em janeiro deste ano, duas das maiores empresas mundiais do setor, a Suzano Papel e Celulose (SPC) e a Fibria Celulose, concluíram processo de fusão que criou a gigante da indústria de base florestal Suzano SA, uma empresa com capacidade de produção de 11 milhões de toneladas de celulose e 1,4 milhão de tonelada de papel por ano.

Na semana passada, a Suzano SA divulgou seu primeiro relatório corporativo. O documento destaca os principais resultados das duas empresas em 2018, durante o processo de fusão, e reforça o compromisso da nova companhia com a pesquisa voltada ao aumento da produtividade e da sustentabilidade de plantios florestais e com a manutenção de programas sociais que visam a reduzir o impacto ambiental de suas atividades.

“Pela natureza de nosso negócio, os desafios relacionados à agua, à energia e às mudanças climáticas serão algumas de nossas bandeiras na dimensão ambiental. No social, vamos trabalhar em programas de desenvolvimento territorial associados à educação e à geração de renda”, diz Walter Schalka, presidente da Suzano SA, na abertura do relatório. “Em nossas mãos, está a condição perfeita para avançarmos na busca por soluções para uma economia de baixo carbono, respondendo aos anseios da sociedade por produções sustentáveis e produtos renováveis.”

O documento aponta as iniciativas sustentáveis da empresa, como a fabricação de papel cartão (BlueCup) para copos descartáveis, um mercado que responde por aproximadamente 600 mil toneladas anuais no Brasil e cuja matéria-prima principal tem origem fóssil. O material foi desenvolvido a partir de fonte renovável – o plantio de eucalipto –, e a Suzano está desenvolvendo uma versão 100% biodegradável, compostável e reciclável.

Em 2018, a SPC e a Fibria deram continuidade aos programas destinados à eficiência e gestão ambiental de suas unidades fabris. Nas unidades florestais, as duas empresas mantiveram os programas relacionados à restauração de áreas degradadas e proteção de remanescentes de vegetação nativa, nos biomas Amazônia, Mata Atlântica e Cerrado.  A estratégia de conduta socioambiental contribui para o combate dos efeitos das mudanças climáticas por meio do plantio de eucalipto e preservação de áreas de mata nativa, que potencializam o sequestro e o estoque de carbono. As áreas de plantio da empresa seguem o sistema de mosaico, que intercalam áreas naturais com plantios de eucalipto, criando corredores ecológicos. Isso viabiliza a manutenção e o desenvolvimento de espécies da fauna e da flora e promove a qualidade e a manutenção dos ciclos naturais.

O braço de pesquisa da Suzano, a FuturaGene, teve papel de destaque nessa conduta socioambiental, desenvolvendo espécies de eucalipto mais resistentes a pragas, mais produtivas e com menos necessidade de agroquímicos que impactem no meio ambiente. Em fazendas experimentais em São Paulo, a empresa testa, no momento, árvores com uma proteína que possui efeito inseticida natural e que previne a infestação de alguns insetos...

Comentários desta notícia

Publicidade