REVISTA TAE - Estudo sobre abastecimento na Bacia do Rio Corumbataí avança com diagnóstico definitivo
Esta notícia já foi visualizada 961 vezes.



Estudo sobre abastecimento na Bacia do Rio Corumbataí avança com diagnóstico definitivo

Data:16/08/2019
Fonte: Agência das Bacias PCJ

Versão final foi apresentada nesta quinta-feira (15/08/2019), na Agência das Bacias PCJ; etapa integra projeto que visa atender as demandas pela água nos próximos 20 anos

A versão definitiva do diagnóstico da Bacia do Rio Corumbataí foi apresentada nesta quinta-feira, dia 15 de agosto, e servirá de base para o planejamento de ações futuras. A atividade fez parte da segunda etapa do estudo de alternativas de abastecimento de água nesta região, que abrange nove municípios: Analândia, Corumbataí, Cordeirópolis, Charqueada, Ipeúna, Itirapina, Piracicaba, Rio Claro e Santa Gertrudes.

O projeto tem como objetivo a prevenção à crise hídrica e o levantamento de formas alternativas para se garantir o abastecimento de água. A empresa responsável é a Engecorps Engenharia, contratada em outubro de 2018 pela Agência das Bacias PCJ, por deliberação dos Comitês PCJ. O investimento é de cerca de R$ 480 mil, com recursos provenientes da Cobrança PCJ Federal (cobrança pelo uso da água em rios de domínio da União).

“O Estudo do Uso dos Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí visa estabelecer cenários e planejar alternativas de abastecimento de água para os municípios pertencentes a esta bacia em virtude do crescimento populacional que ocorrerá nos próximos anos. É uma ferramenta muito importante para o planejamento e direcionamento de ações para estes nove municípios e visa atender as demandas pela água para os próximos 20 anos”, destacou a coordenadora de Projetos da Agência das Bacias PCJ e gestora do contrato, Elaine Franco de Campos.

O diagnóstico teve como finalidade a caracterização de toda a bacia e subsidiará as etapas seguintes, de identificação de alternativas para o abastecimento de água e de indicação em planta das alternativas viáveis. Pautado na caracterização dos aspectos naturais e socioeconômicos da bacia, foram levantados, produzidos e analisados dados e informações que permitirão estruturar cenários futuros do uso dos recursos hídricos nesta região.

“Foram enfatizadas a dinâmica de uso e ocupação do solo, bem como as condições do saneamento básico e dos aspectos de qualidade e quantidade dos recursos hídricos na bacia, a fim de identificar as claras condições atuais dos recursos hídricos, superficiais e subterrâneos, da Bacia do Rio Corumbataí”, explicou a coordenadora.

Ela  ressaltou que os principais dados levantados nesta segunda etapa foi com relação aos aspectos da Bacia do Rio Corumbataí, tais como clima, hidrografia, geologia, geomorfologia, pedologia, hidrogeologia; descrição dos biomas e remanescentes florestais, unidades de conservação e áreas protegidas; população atual, tendências de crescimento humano; caracterização do saneamento básico e de recursos hídricos como disponibilidade, consumo, captações superficiais e subterrâneas além de um levantamento de usuários não cadastrados.

A empresa visitou todos os nove municípios e levantou informações com as prefeituras e os serviços de água e esgoto, além de percorrer aproximadamente 300 quilômetros de rios, córregos e afluentes da Bacia do Rio Corumbataí para uma coleta de dados ‘in loco’ de parâmetros físico-químicos da água, como pH, Oxigênio Dissolvido (OD), cor, odor, turbidez, nitrogênio amoniacal, fósforo total e coliformes fecais.

AÇÕES

As alternativas de abastecimento compreendem ações estruturais e não estruturais para compatibilizar as disponibilidades e demandas e solucionar conflitos em horizontes de curto prazo (5 anos) até longo prazo (20 anos).

As alternativas deverão, no mínimo, considerar a possibilidade de reúso de água, novos barramentos e captação subterrânea (aquífero Guarani ou outros aquíferos). Para cada conflito deverão ser apresentadas no mínimo duas alternativas. Após a aprovação das alternativas, deverão ser apresentadas as ordens de prioridades das obras e ações a serem implantadas.

  

Comentários desta notícia

Publicidade