REVISTA TAE - Com auditório lotado, ABES-SP debate gestão e aplicação de SIG no saneamento
Esta notícia já foi visualizada 970 vezes.



Com auditório lotado, ABES-SP debate gestão e aplicação de SIG no saneamento

Data:19/08/2019
Fonte: ABES

Suely Melo


Por Clara Zaim

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção São Paulo (ABES-SP) promoveu nesta quinta-feira, 15 de agosto, o evento Gestão e Aplicações de SIG (Sistemas de Informações Geográficas) no Saneamento. O objetivo do encontro, que lotou o auditório da entidade, foi apresentar e orientar os profissionais do setor que enfrentam os desafios na gestão de dados.

Os convidados Nagip Abrahão, da Sabesp, Thomas Ficarelli, membro do programa Jovens Profissionais JPS da ABES-SP e da Cetesb, Luiz Roberto Gravina Pladevall, vice-presidente da seção e sócio-diretor da CPS Engenharia e Soluções, e Edson Souza, também da CPS Engenharia e Soluções, apresentaram e discutiram o tema.

Pladevall abriu o evento apresentando à ABES ao público presente.



Dando continuidade, o engenheiro civil Nagip Abrahão, da Sabesp, ministrou a palestra “Implantação e Pós-implantação de Projetos de SIG para Companhias de Saneamento”. Discorreu sobre implantação e a pós-implantação de SIG em empresas de saneamento, abordando tópicos, como tecnologias, governança de dados, operação do SIG, segregação de funções: negócio x TI, gestão das aplicações, oportunidades, prazo, custos (Capex e Opex), levantamento analógico e acervo digital, mapa base, controle de qualidade, estratégias de contratação, gestão de mudanças, equipe de projeto, entregas, treinamento, orçamento, gestão do contrato, atuação tecnológica e manutenção corretiva e evolutiva.

O palestrante falou sobre a sua apresentação.” Atendi um convite da ABES. “Abordei sobre o que as pessoas vão vivenciar nas empresas de saneamento. É necessário implantar e depois administrar. Parabenizo à ABES e espero que outros eventos como esse sejam realizados”, disse Abrahão.



Em seguida, o Doutor em Saúde Global pela USP, Thomas Ficarelli, ministrou a palestra ‘Método e Indicadores de Uso e Gestão de SIGs de Saneamento’. O geógrafo contou sobre as experiências das companhias CAGECE (Fortaleza/CE), NCWSC (Nairobi, Quênia), ACEA ATO2 (Roma, Itália) e FÖVÁROSI VÍZMÜVEK (Budapeste, Hungria). Discorreu sobre as etapas do projeto SIG e do seu trabalho que levantou 176 documentos em 44 países. Também falou de geoinformação, acessos e potenciais de uso, métodos, etapas, requisitos, informações geográficas e questões da gestão, e comprovação da eficácia do método.

Para Thomas, o sistema cria novas oportunidades, desafios, reduz custos e beneficia todos os atores do setor. “O tema tem entrado cada vez mais nas companhias de saneamento e de órgãos do governo relacionados”, frisou. “Novas oportunidades vão sendo vistas em relação ao SIG. São muitos desafios gerenciais e corporativos. É muito mais do que montar mapas, é uma troca de informações que beneficia todas as partes. São ferramentas que apontam para uma maior articulação da gestão para benefício de todos e que reduz os custos”, afirmou Ficarelli



Ao final, o vice-presidente da ABES-SP e sócio-diretor da CPS Engenharia e Soluções, Luiz Roberto Gravina Pladevall, e o engenheiro Edson Souza, da CPS Engenharia e Soluções, ministraram a palestra  ‘Ferramenta GISWATER para gestão de SAA e melhoria da eficiência operacional’.

Pladevall mostrou o histórico da ferramenta Giswater, que possibilita a gestão de sistemas de abastecimento de água, atuando na implantação, atualização ou adequação do cadastro técnico, de maneira georreferenciada. A ferramenta permite integração com a modelagem hidráulica do sistema, utilizando apenas softwares livres e permite a customização pelo usuário de maneira personalizada. Segundo ele, a CPS ajudou no desenvolvimento da ferramenta, em 2014. O engenheiro discorreu sobre solução integrada, georreferenciamento associado a software livre, ferramenta de integração, software, banco de dados, integração e implantação do sistema no Brasil (na DAE, em São Caetano do Sul).



Para finalizar, Edson Souza, da CPS Engenharia e Soluções, abordou a parte técnica do sistema GIS, características e benefícios, aplicações, planejamento e gestão operacional, simulação hidráulica (visualização do Giswater em comparação ao Epanet, eficiência operacional, implantação do programa na Espanha, etapas de contrato na Caesb e o fluxograma desde a obtenção do cadastro até a calibração. No término do evento, foi feita uma demonstração do uso da ferramenta para o público.

“Conseguimos apresentar o Giswater que é uma ferramenta que ajuda no desenvolvimento do saneamento para a questão do cadastro, de simulações hidráulicas, de planejamento e de operação”, disse Edson Souza. “O que falta para as companhias é associar o planejamento e a operação. O Giswater vem para unir as duas questões”, completou.



Pladevall comentou sobre a realização exitosa sobre o tema. “A ABES-SP mais uma vez cumpre o seu papel de trazer difusão de conhecimento. O evento foi excelente, com três visões diferenciadas:  Nagip com uma visão de histórico de utilização do GIS, Thomas Ficarelli, com uma visão de pesquisa que foi feita em três países e a nossa, que é uma experiência real para utilização do GIS para o saneamento”, concluiu o engenheiro.

A coordenadora do programa Jovens Profissionais do Saneamento da ABES-SP, Maria Fernanda Bentubo, esteve presente no evento e contou sobre a sua experiência com o tema abordado. “O mundo do geoprocessamento está cada vez mais próximo de nós e oferece ferramentas essenciais, principalmente para a área do saneamento”, salientou. “Eu tive e tenho a oportunidade de trabalhar com “geo” e percebo o quanto ainda precisamos evoluir e aproximar os profissionais desta realidade tão necessária. Me identifiquei muito com as dificuldades abordadas pelos palestrantes”, ressaltou. “Esses encontros são ótimos para nos atualizar, trazer conhecimento e nos incentivar a descobrir mais”, finalizou Maria Fernanda.

Comentários desta notícia

Publicidade