REVISTA TAE - BIO 2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade
Esta notícia já foi visualizada 178 vezes.



BIO 2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade

Data:05/02/2020
Fonte: CETESB

A diretora-presidente da CETESB, Patrícia Iglecias, participou nesta terça-feira, dia 4, da abertura oficial do evento “BIO 2020: Perspectivas Brasileiras para o Marco Pós-2020 de Biodiversidade”, uma parceria entre a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) com as redes ICLEI América do Sul, Regions4 e a Iniciativa “Post 2020 Biodiversity Framework – EU Support” (apoio da União Europeia), com apoio da agência ambiental paulista. O encontro se estenderá até o próximo dia 6, nas dependências da CETESB, na capital.

O encontro é uma preparação para a próxima COP15 da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), em Kunming, na China, e visa elaborar a Carta de São Paulo com os resultados de suas discussões. Durante a sua participação na mesa de abertura, Patrícia Iglecias falou sobre o grande interesse do Governo do Estado pelo tema, inclusive, lembrando a iniciativa do governador João Doria na criação de um Conselho de Apoio à Gestão Ambiental do Estado de São Paulo, que tem como objetivo designar uma assessoria consultiva para definir estratégias na condução da agenda ambiental do Estado.

Para Patrícia Iglecias, a temática da biodiversidade merece destaque na agenda ambiental atual. A preservação da biodiversidade e a manutenção do bioma, segundo a dirigente, são fundamentais e um grande desafio para toda a sociedade. “Os esforços que temos hoje são esforços dos pesquisadores, das organizações não governamentais, das academias e também os esforços de pessoas comuns, preocupadas com o meio ambiente. Mas esse tema ganha um destaque ainda maior porque, atualmente, estamos tendo a conscientização de toda a sociedade, que representa uma mudança de postura”.

A presidente da CETESB fez um destaque especial à questão da restauração ecológica. Segundo ela, um ponto central de atuação no Estado de São Paulo, que atua em consonância com as metas de Aichi, firmada durante a 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-10), realizada na cidade de Nagoya, Província de Aichi, Japão. “E a CETESB, como órgão fiscalizador, tem trazido esse tema para dentro do licenciamento ambiental”, ressaltou, lembrando ainda a importância do Programa Nascentes, uma importante iniciativa do governo estadual, que segundo ela, vem possibilitando a restauração ecológica em escala.

No período da tarde, a gerente da Divisão de Avaliação de Empreendimentos Industriais, Minerários e Urbanísticos, Maria Cristina Poletto, da Diretoria de Avaliação de Impacto Ambiental da CETESB, fez uma apresentação sobre o tema Produção e Consumo Sustentáveis e Favoráveis à Vida Selvagem.

O evento discutirá temas como: restauração de ecossistemas e a recuperação de vegetação nativa; uso e conectividade do solo; produção e consumo sustentáveis e favoráveis à vida selvagem; economia circular e soluções baseadas na natureza, além de educação e consciência ambiental.

Participaram da abertura do evento diversas autoridades ligadas ao meio ambiente, tais como o subsecretário de Meio Ambiente do Estado, Eduardo Trani; Matheus Couto, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma); Elizabeth Chouraki, do projeto “Marco Global pós-2020 de Biodiversidade”; Rui Ludovico, representante da União Europeia no Brasil; Marina Caetano, coordenadora de projetos de Descentralização e Desenvolvimento Sustentáveis da Fundação Konrad Adenauer; Rodrigo Perpétuo, secretário executivo do Iclei América do Sul; Juliana Cardoso, coordenadora de Desenvolvimento dos Agronegócios da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado e Rodrigo Levkovicz, diretor executivo da Fundação Florestal, entre outros.

Comentários desta notícia

Publicidade